Xuxa faz sua primeira vilã no cinema

Quinta-feira, dia 21. Há um dispositivo de segurança reforçado na entrada do Pólo de Cinema e Vídeo da Barra. Algumas pessoas, jovens principalmente, aguardam do lado de fora. Estão ali na expectativa de ver Xuxa e Ivete Sangalo, que, neste dia, rodam cenas do novo filme da rainha dos baixinhos. O tempo passa e Xuxa não perde o trono. Os baixinhos mudam, há uma troca de gerações, mas ela sempre atrai o público infantil e/ou juvenil. Os fãs vivem atrás dela, mas neste dia é pior. A Fox e a Diler & Associados trouxeram exibidores de todo o Brasil para uma visita ao set. Xuxa e Ivete já tiraram todas as fotos a que seus tietes têm direito. Agora, é trabalhar. A cena filmada - com o grande Edgar Moura na câmera - é típica de qualquer filme de Xuxa. Há uma garotada barulhenta no estúdio. São alunos de uma escola de novos talentos. Ensaiam com bateria, as meninas requebram e Xuxa solta a palavra de ordem. A escola está sem recursos. Participa de um concurso. "É vencer ou ... vencer!" O diretor Jorge Fernando acompanha a filmagem, pelo monitor, do outro lado da divisória que estabelece o limite do mundo de fantasia que o espectador vai ver na tela. No mesmo estúdio Humberto Mauro foi filmado o novo Renato Aragão, também da Diler & Associados. Nas próximas férias, entre dezembro e janeiro, a empresa terá três filmes infantis no mercado - o de Xuxa, o do trapalhão e a nova animação de Mauricio de Sousa. Jorge Fernando agita-se, é elétrico, mas não perde a calma (nem o astral). Trabalhar com o Jorge é ótimo, dizem todos no set, até o 20º ajudante que serve o cafezinho. A se julgar pela amostra, deve ser mesmo. Jorge deve ter seus momentos de Bette Davis em "A Malvada", mas não perde a calma. Dá instruções (a Xuxa, à garotada da banda, ao diretor de fotografia) e, entre uma mudança e outra de luz ou de ângulo da câmera, conversa com o repórter. "Só mais um minutinho", pede. O repórter o apressa. Daqui a pouco, neste dia 21, estará começando, no Cine Odeon BR, o Festival do Rio 2006. "Não vou; não tenho conseguido ir ao cinema", comenta Jorge Fernando. Como poderia? Seu nome é trabalho. Só com Xuxa ele está envolvido em dois grandes projetos - o filme, cujo título provisório é "Xuxa Gêmeas", e o especial de TV com o qual a apresentadora vai comemorar, no dia 14, seus 20 anos na Globo. E Jorge já tem engatilhados outro filme ("A Guerra dos Rochas", remake da produção argentina "Esperando la Carroza", na Total Filmes) e nova novela. O especial começa como musical. Sete minutos de canto e dança resumindo a biografia de Xuxa. "Gêmeas" surgiu como um desafio. "O que eu poderia propor de diferente a Xuxa?", pergunta Jorge. "O que ela nunca fez, uma vilã. Como conciliar a imagem de Xuxa com a de uma vilã? Surgiram as gêmeas", ele explica. A assessoria de Xuxa acrescenta - Jorge está fazendo a estrela representar e isso é inédito para ela. "Não sou atriz", ela repete, como já fez, inúmeras vezes, para o repórter, em outras visitas a set. Mas Xuxa topou o desafio e agora pena. É divertido fazer uma vilã? "Não, cara, não é. Vi um monte de filmes com vilãs, vi a Cruela Cruel, mas nada daquilo me motiva. Não sou santinha, mas também não me sinto bem na pele da malvada " As duas irmãs foram separadas na infância. Uma foi adotada por um circo - é a Xuxa boazinha. A outra virou essa megera que quer fechar a escola de talentos. A Xuxa má veste roupa de grife, usa uma peruca (loira) com um penteado daqueles bem armados. O público poderá divertir-se. Xuxa sofre com a dualidade. O que ajuda é Ivete Sangalo, como amiga da Xuxa boa. Ivete é uma figura. Alto astral, bonita. Também não é atriz, mas é outra que está tendo de representar. "É muito difícil para mim falar doce, me conter. Quando canto é uma coisa Falando baixo, sai essa voz grossa, que eu tive de mudar. Sou durona, preferia fazer um filme de ação, distribuindo porrada." Ivete adora cinema. E tem um gosto eclético - ficou impressionada com "Falcão Negro em Perigo", de Ridley Scott, mas o filme que mais a marcou, entre os que viu recentemente, em DVD foi "Funny Games", de Michael Haneke. "Nego, me explica, o que é aquilo?", pergunta. Ivete prepara o grande show que vai fazer no Maracanã, em dezembro, e que vai ser transformado em DVD para consolidar seu ingresso no mercado internacional. O show vai ter Banda Eva, Bochecha, Johnny Quest. E muito axé. "Meu negócio é axé", diz a baiana arretada que conta que conheceu Xuxa em bastidores de shows e depois ficaram amigas de verdade. "Quando minha mãe morreu, a Xuxa me escreveu uma carta linda. Quando ela ficou buchuda, eu acompanhei a gravidez." Para amigas, na vida, não deve ser difícil fazer amigas na ficção. Mas tem a Xuxa má. Aguarde - em dezembro, num cinema perto de você.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.