Woody Allen vira astro no Festival de Veneza

Enfim, Woody Allen retribuiu a atenção que o Festival de Veneza lhe tem dispensado. Há anos a mostra italiana promove a pré-estréia de seus filmes, chegando a premiá-lo em 1995 pelo conjunto de sua obra. Mas nunca contou com sua presença. Hoje, aos 67 anos, ele deu as caras. E foi a grande sensação do festival, que começou nesta quarta-feira com a exibição de seu Anything Else."Eles me convidaram várias vezes, eu sempre me desculpava e não vinha", contou o cineasta. "No ano passado, fui a Cannes. Os franceses têm me dado muito apoio, e achei que devia retribuir. Sinto o mesmo em relação ao povo italiano."Anything Else é um dos filmes de maior impacto do cineasta nos últimos anos. Conta a história de um jovem escritor de comédias (Jason Biggs) que se apaixona por uma mulher sedutora e manipuladora (Christina Ricci). O cineasta faz o papel de outro escritor, uma espécie de anti-guru do personagem de Biggs. O ponto de partida sugere apenas uma comédia romântica de poucas pretensões e alguma graça. Mas seu desenvolvimento traz frescor à filmografia de Allen, em particular com as grandes falas de seu personagem, "um pequeno judeu apaixonado por Nova York".A Nova York de Allen mudou. Ainda tem muito jazz, passeios no Central Park e bastante humor. Mas também é uma cidade traumatizada pelo 11 de setembro, e os personagens de Anything Else refletem este fato. "O mundo está obviamente vivendo um estado de tensão particular", disse o diretor. "Claro, sempre houve tensão. Mas neste momento ela está ainda mais exagerada."Embora saja a grande sensação do primeiro dia, Anything Else não vai disputar o Leão de Ouro. Até 6 de setembro, Veneza mostra os novos filmes de nomes como Alejandro Gonzalez Iñarritu, Manoel de Oliveira, Takeshi Kitano, Amos Gitai, entre outros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.