Woody Allen processa grife dos EUA por uso de sua imagem

Conhecida por seus anúncios espirituosos, a American Apparel pode ter de pagar US$ 10 milhões ao cineasta

AP,

15 de abril de 2009 | 15h25

A empresa de roupas American Apparel, conhecida por seus anúncios espirituosos, está lutando contra um processo de US$ 10 milhões pedido pelo cineasta Woody Allen. A empresa alega que não pode ter prejudicado a reputação de Allen por ter usado sua imagem, já que ele mesmo já a arruinou. A American Apparel é conhecida por seus anúncios provocativos, que mostram modelos jovens com roupas apertadas e às vezes transparentes.

 

O diretor de cinema, de 73 anos, começou a enfrentar a American Apparel Inc. ao processar a empresa no ano passado por ter usado sua imagem em anúncios em Hollywood e Nova York e em um site.

 

Allen, que não apoia produtos nos Estados Unidos, afirma que não autorizou o uso de sua imagem que, segundo a empresa, localizada em Los Angeles, foi exibida apenas durante uma semana.

 

Um dos anúncios mostrava uma cena de Annie Hall, filme pelo qual Allen ganhou o Oscar de melhor  diretor. A imagem mostrava Allen vestido como um judeu hassídico, com uma longa barba e um chapéu preto, e um texto iídiche (língua falada por parte dos judeus). As palavras "American Apparel" também apareciam no anúncio. De acordo com a ação judicial promovida por Allen, o anúncio dá a falsa impressão de que ele patrocinou, apoiou ou estava associado com a empresa. Em depoimento realizado em dezembro, o diretor afirmou que considerou o anúncio da empresa "pobre" e "infantil".

 

Segundo o diretor da American Apparel, Stuart Slotnick, agora a empresa planeja usar como foco em um julgamento marcado para começar em 18 de maio, em Manhattan, o relacionamento de Allen com a atriz Mia Farrow. O cineasta trocou a atriz por sua filha adotiva, Soon-Yi Previn. Mia estrelou vários filmes de Allen durante um relacionamento que terminou em 1992, quando ela descobriu que ele estava tendo um caso com sua filha adotiva mais velha, então com 22 anos. Allen casou-se com Soon-Yi em 1997. Durante uma amarga disputa pela guarda, Mia acusou o diretor de abusar sexualmente do filho adotivo deles, Dylan, de 7 anos. Allen ficou livre das acusações de abuso, mas Mia ganhou a guarda total da criança.

 

"Woody Allen espera US$ 10 milhões pelo uso de sua imagem em anúncios que ficaram expostos apenas por uma semana. Acredito que ele superestima o valor de sua imagem", afirmou Slotnick. "Certamente, nossa crença é de que após vários escândalos sexuais com os quais ele têm sido associado, o desejo da empresa de vê-lo apoiando seus produtos não é o que ele pode acreditar que seja."

 

Slotnick afirmou que existe a possibilidade de a empresa evitar um julgamento. "Tudo o que posso dizer é que a empresa já se desculpou pelo uso da imagem do senhor Allen e se desculpa se ofendeu seus

 sentimentos."

 

Tudo o que sabemos sobre:
Woody AllenprocessoAmerican Apparel

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.