Reuters
Reuters
Imagem Lúcia Guimarães
Colunista
Lúcia Guimarães
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Woody Allen nega acusação de abuso e ataca Mia Farrow

Em carta publicada no 'New York Times', cineasta diz que atriz foi responsável por colocar a filha contra ele

Lucia Guimarães, O Estado de S. Paulo

08 de fevereiro de 2014 | 00h28

O diretor e ator Woody Allen publicou, no website do New York Times, sua resposta à acusação de abuso sexual feita por sua filha adotiva Dylan Farrow, no dia 1º de fevereiro, através do blog do colunista Nicholas Kristof, do mesmo jornal. A versão de Allen, publicada na sexta feira à noite, vai sair na edição impressa do jornal no domingo.

No texto, o diretor lembra que, quando foi acusado de molestar Dylan Farrow, então, com 7 anos, em 1993, num pequeno sótão da casa da ex-namorada Mia Farrow em Connecticut, não pensou duas vezes porque, tendo certeza de sua inocência, concluiu que a verdade ia prevalecer. "Nem contratei advogado para me defender," afirma Allen, "foi meu advogado civil que me avisou que ela ia levar a acusação à polícia e eu ia precisar de um advogado criminalista."

O diretor diz que, nos 12 anos do namoro com Mia Farrow, ela nunca havia sugerido nada que se assemelhasse a um mau comportamento e, afinal, lembra, era um homem de 56 anos sobre quem nunca havia pesado suspeita de abusar de uma criança. Allen diz que a situação da casa em Connecticut, no dia 4 de agosto de 1992, onde foi visitar as crianças, era o "território inimigo" em plena separação e cheio de testemunhas de modo que a "falta de lógica" lhe pareceu um cenário convincente o bastante para confirmar sua inocência.

Allen acusa Mia Farrow de, depois de ter levado Dylan ao médico e não ter conseguido obter da menina uma confirmação do abuso, saiu com Dylan para tomar sorvete e, quando voltou, a filha tinha mudado sua versão do suposto incidente. Allen lembra que se ofereceu e passou por um teste de detector de mentiras, algo que Mia Farrow se recusou a fazer.

Allen cita uma entrevista, concedida na última segunda-feira à CNN por sua ex-namorada Stacey Nelkin, em que ela conta que foi procurada por representantes de Mia Farrow para prestar falso testemunho na disputa sobre a custódia de três crianças, dois filhos adotivos, Dylan e Moses e um filho biológico, Satchel, hoje conhecido como Ronan Farrow. Nelkin tinha 17 anos quando namorou Allen, que tinha 42 e afirma que Mia Farrow pediu a ela para dizer que tinha apenas 15 anos, ou seja, era menor de idade pela lei americana.

O diretor transcreve trechos da extensa investigação policial concluída em 1993, em que psicólogos da clínica especializada em abuso sexual do hospital do Yale-New Haven Hospital afirmam que Dylan não foi molestada pelo pai. Allen admite que sua relação com a filha adotiva de Mia Farrow, Soon-Yi Previn causou enorme decepção ao público mas alega que, a despeito da impropriedade aparente, os dois estão casados há 16 anos e criam duas filhas adotivas. E lembra que, depois da acusação feita por Mia Farrow, o processo de adoção das duas filhas foi feito com rigor especial pelas autoridades nova-iorquinas.

O diretor diz que ficou com o coração partido pela perda dos filhos. "Moses tinha muita raiva de mim," lembra ele. "O Ronan eu não conhecia bem porque a Mia não deixava eu me aproximar desde que ele nasceu e Dylan, que eu adorava, de quem era muito próximo e Mia chamou de minha irmã num ataque de raiva e disse: Ele tomou a minha filha, vou tomar a filha dele."

Woody Allen conta, na carta publicada no Times, que sentiu culpa por ter se apaixonado por Soon-Yi e ter colocado Dylan numa situação em que foi usada pela mãe. Ele afirma que, junto com a mulher Soon-Yi, fez várias tentativas de manter contato com Dylan mas foi impedido por Mia Farrow. O diretor cita também seu filho adotivo Moses, de 36 anos, que se afastou de mãe e se reaproximou dele e defendeu o pai numa entrevista à revista People, dizendo que o abuso sexual não aconteceu.

"Aqui faço uma pausa sobre a situação de Ronan," continua Allen. "ele é meu filho ou, como Mia sugeriu, filho do Frank Sinatra? Reconheço que ele se parece com o Frank, nos olhos azuis e nas feições, mas o que isto quer dizer? Que durante todas as audiências sobre a custódia, a Mia mentiu sob juramento e falsamente apresentou o Ronan como nosso filho?"

Allen não duvida que Dylan acredita nas acusações que faz e diz esperar que um dia ela compreenda que foi explorada e privada de um pai.

E conclui dizendo: "Esta será minha palavra final sobre toda esta questão e ninguém vai responder por mim em comentários mais adiante. Um número suficiente de pessoas já foram feridas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.