Divulgação
Divulgação

Woody Allen ganha mostra cinematográfica em São Paulo

Centro Cultural Banco do Brasil recebe todos os 40 filmes do diretor, inclusive o mais novo, 'Whatever Works'

Gilberto Amendola, do Jornal da Tarde,

18 de novembro de 2009 | 16h52

Enquanto a Cidade Maravilhosa sonha com a possibilidade, ventilada apenas em rumores, de se transformar na ‘Cidade Cenográfica’ das paranoias, manias e talentos de Woody Allen, os paulistas podem se deliciar com a maior mostra já realizada sobre a obra do cineasta, batizada de A Elegância de Woody Allen. O evento, que irá exibir todos os 40 filmes do diretor, começa nesta quarta-feira, 18, no Centro Cultural Banco do Brasil.

 

Entre os destaques da programação estão o ainda inédito por aqui, Tudo Pode Dar Certo (Whatever Works - 2009), que tem o criador do seriado Seinfeld, Larry David, como protagonista, e o primeiro filme de Allen, O Que Há, Tigresa (1966), também nunca exibido no País. Além disso, a mostra será uma oportunidade para assistir a um média metragem de Jean-Luc Godard, Meetin’ WA, sobre a vida de Allen, e um documentário sobre a veia jazzística do artista. O evento também oferecerá cursos e palestras sobre o diretor.

 

O curador da mostra e cineasta Angelo Defanti, 26 anos, diz que assistiu a todos os 40 filmes do diretor. "Comecei em 1994, vendo Tiros na Broadway. Fiquei muito impressionado com a capacidade de Allen em contar uma história. A partir daí, virei fã", revela. Para Defanti, é difícil apontar as sessões imperdíveis do evento. "Mas é uma ótima oportunidade, por exemplo, para ver um filme como Memórias (1980). É incrível e pouco conhecido. Além disso, vale uma olhada no primeiro longa dele, O Que Há, Tigresa. Todos os filmes serão exibidos em película", ressalta.

 

A experiência de mergulhar na filmografia de Allen fez Defanti entender e reconhecer o tema mais recorrente em seus filmes. "Allen trata bastante sobre os problemas de comunicação entre as pessoas. Seus personagem têm dificuldade de se fazer entender pelo resto do mundo. Não à toa, muitas vezes, são escritores, artistas plásticos e outros tipos desse universo".

 

Sobre o último filme de Allen, Tudo Pode Dar Certo, Defanti diz que ele é apenas regular. "Não está entre os meus preferidos, mas causa uma empatia incrível com o público. A plateia sai do cinema de alma lavada. Allen não perde uma piada. Ele está voltando a fazer comédias como no início da carreira", diz.

 

A possibilidade do Rio de Janeiro juntar-se, em 2011, às cidades de Barcelona e Londres na obra de Allen tem atiçado os fãs e detratores do diretor. Mesmo que nada tenha sido assinado ou decidido, a expectativa é grande. "Eu sou do time que é a favor. Tem pessoas no Rio de Janeiro que são contra, acham que não tem nada a ver. Mas acredito que a possibilidade da cidade fazer parte da filmografia de Allen é uma coisa incrível", diz o curador.

 

Quais brasileiros fariam um filme de Woody Allen no Rio?

 

Patrícia Pillar

"Acho que ela é inteligente, engraçada e dramática. Além disso, é muito bonita". Sandre Werneck, diretora de "Cazuza"

 

Matheus Souza

"Que ator eu indicaria? Eu mesmo. Eu faria o filme dele". Matheus Souza, diretor de "Apenas o Fim"

 

Débora Falabella

"A atriz se sairia bem, posso sentir nela fragilidade e inteligência". Paulo Morelli, diretor de "Cidade dos Homens"

 

Selton Mello

"É um grande ator. Ele pode ser cômico, mas tem também um lado escuro". Henrique Goldman, diretor de "Jean Charles"

 

Andrea Beltrão

"Ela é bonita e vai à praia. É esperta e talentosa, como as atrizes de Allen". Sérgio Rezende, diretor de "Salve Geral"

 

A elegância dos filmes de Woody Allen. Quando:  De quarta,18, a domingo, 22, das 10:00 às 20:00

Quanto: De R$ 2 a R$ 4. Onde: CCBB - Rua Álvares Penteado, 112 - Centro Tel: (11) 3113-3649

Tudo o que sabemos sobre:
Woody AllenAllencinemaCCBBmostra

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.