Damon Winter/The New York Times
Damon Winter/The New York Times

Woody Allen: 'Eu deveria ser o garoto propaganda do movimento #MeToo'

Cineasta alega em que 50 anos trabalhando no cinema, nunca foi acusado de ter sido 'inconveniente' com nenhuma mulher; Woody Allen falou sobre assédio e as acusações de sua filha Dylan Farrow à emissora argentina Channel 13

AP

05 Junho 2018 | 13h27

BUENOS AIRES - Woody Allen diz que ele deveria ser o rosto estampando os cartazes do movimento #MetToo no que diz respeito ao fato de fazer o que é certo.

Em uma entrevista que foi ao ar no domingo, 3, à noite, o cineasta disse que ele é um "grande defensor" do #MeToo e, mais uma vez, negou as acusações de ter molestado Dylan Farrow, sua filha adotiva.

"É engraçado, eu deveria ser o garoto propaganda do movimento #MeToo porque eu trabalho no cinema há 50 anos, trabalhei com centenas de atrizes... e nenhuma delas, grandes, famosas, nunca, nunca, sugeriram nenhuma inconveniência da minha parte", ele disse ao jornalista argentino Jorge Lanata, em Nova York.

"Eu sou, por princípio, e em espírito, completamente a favor de se fazer justiça nos casos de assediadores genunínos", Allen disse durante a entrevista à emissora argentina Channel 13.

"Agora, se um inocente é varrido por isso tudo, isso é muito triste para a pessoa, é injusto. Mas, por outro lado, é uma coisa muito boa expor casos de assédio."

Farrow, filha de Allen, em 2014, reafirmou a acusação de que ele a molestou em 1992, quando ela tinha 7 anos. Allen, que há muitos anos nega as acusações, foi investigado, mas nunca denunciado. Farrow chegou a questionar por que o #MeToo não envolveu Woody Allen.

+++ Woody Allen desmente novamente as acusações de sua filha adotiva

Mais cedo este ano, Mira Sorvino fez um pedido público de desculpas para Farrow, dizendo que ela sentia muito por ter feito vistas grossas às acusações contra o cineasta e disse que nunca mais atuaria em filmes dele.

Outros atores também se distanciaram de Woody Allen, levantando dúvidas sobre o futuro do prolífico cineasta em uma indústria sensível às alegações de má conduta sexual.

+++ 'Não voltaria a trabalhar com Woody Allen', afirma Michael Caine

+++ Colin Firth anuncia que não vai mais trabalhar com Woody Allen

+++ Diane Keaton defende Woody Allen: 'Ele é meu amigo e continuo acreditando nele'

"O que me deixa chateado é que me ligaram a esses homens", disse Allen. "Pessoas que estão sendo acusadas por 20, 30, 50, 100 mulheres de abuso e abuso, e eu, que fui acusado por uma mulher, num caso de custódia infantil, que foi investigado e provado não ser verdade, acabei misturado a essa elas", disse.

Mais conteúdo sobre:
Woody Allen cinema #Metoo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.