'Wolverine' pirata teve 4 milhões de downloads, diz Fox

Mesmo vazando 1 mês antes, filme foi a melhor estreia de fim de semana do que qualquer outro neste ano

Reuters,

07 de maio de 2009 | 12h19

Uma versão pirata inacabada de "X-Men Origens: Wolverine" que apareceu na Internet no dia 30 de março, bem antes da estreia do filme campeão de bilheterias nos cinemas, foi alvo de cerca de 4 milhões de downloads, informou a Fox, da News Corp., na quarta-feira.

 

O prejuízo trazido por esses downloads à bilheteria de "Wolverine" é algo discutível, mas os 4 milhões de downloads contabilizados pela Fox representam cerca de quatro vezes o número estimado anteriormente. No ano passado, com o preço médio do ingresso a 7,18 dólares, a pirataria pode em tese -- embora a cifra não seja provável -- ter custado 28,7 milhões de dólares a Fox.

 

"A pirataria é uma questão séria para nós. Nós agora estimamos que haja mais de 4 milhões de downloads daquele filme roubado de "Wolverine" que está por aí", disse o presidente da News Corp., Peter Chernin, a analistas de Wall Street na quarta-feira.

 

Chernin e o chairman Rupert Murdoch falaram em uma teleconferência. Mais tarde uma porta-voz da News Corp. confirmou que a estatística era de 4 milhões e não 1 milhão, o número menor foi tido como verdade por muitos dias. Chernin disse na teleconferência que muitos sites da Internet que negociavam ilegalmente "Wolverine" foram suspensos.

 

A pirataria de propriedade intelectual, incluindo filmes, disse Chernin, é "tão grande quanto um ato de espionagem industrial, sabotagem industrial, como temos visto em termos de seu impacto econômico". Apesar disso, "Wolverine" marcou a melhor estreia de fim de semana do que qualquer outro filme neste ano. Murdoch disse na teleconferência na quarta-feira: "Para a Fox, nós não poderíamos estar mais felizes com uma estreia de 85 milhões de dólares de 'Wolverine' na semana passada".

Tudo o que sabemos sobre:
PiratariaWolverine

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.