Winona Ryder é indiciada por roubo e vandalismo

Os problemas de Winona Ryder com a Justiça serão mais sérios do que ela podia imaginar. A atriz foi indiciada em quatro crimes por conta de sua prisão em uma loja da Saks Fifth Avenue em Beverly Hills, em dezembro. Ela será julgada duas vezes por roubo, uma por vandalismo e outra por porte de substância controlada. A atriz foi liberada na época depois de pagar uma fiança de US$ 20 mil, mas os promotores do caso querem que a quantia seja aumentada para US$ 30 mil. Winona terá de comparecer à Justiça na sexta-feira.A atriz de Garota Interrompida foi presa em 12 de dezembro ao tentar roubar o equivalente a US$ 4.760,00 em mercadorias. Câmeras do circuito interno de TV da loja filmaram a atriz removendo etiquetas de seguranças dos produtos, colocando-os em uma bolsa e deixando a loja. Sua assessora de imprensa, Mara Buxbaum, acha que os crimes pelos quais ela foi indiciada são "exagerados" e que a atriz está interessada em comparecer logo à Justiça para explicar o que aconteceu.Suas desculpas variaram bastante até agora. Seu advogado, Mark Geragos, disse que ela estava apenas carregando os produtos de um departamento para o outro, mas não explicou o porquê da remoção das etiquetas de segurança. Ele disse que ela tinha recibos de outras compras que tinha feito na loja e uma receita válida para os remédios que carregava. Na época, também circulou a notícia de que ela estava fazendo "pesquisa" para o papel que terá em um filme.Já há quem esteja faturando em cima do inferno astral da atriz. A Tsangares, uma loja de Los Angeles, lançou a campanha "Free Winona" (www.freewinona.com). Uma semana depois da prisão, a loja começou a vender camisetas com o slogan. Ainda que a atriz não esteja presa, as camisetas continuam vendendo bastante, de acordo com o dono da loja, Billy Tsangares. Segundo ele, já foram feitas encomendas de várias partes do mundo, inclusive do Brasil. Cada camiseta custa US$ 10. O sucesso das camisetas já deu origem a outros produtos, como a bolsa com a cara de Ryder e o slogan "I paid for this stuff"("eu paguei por essas coisas").

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.