Will Smith encarna super-herói às avessas em 'Hancock'

Herói sabe que grandes poderes levam a grandes responsabilidades, mas, ainda assim, não se mostra prudente

Rodrigo Zavala, da Reuters,

08 de julho de 2003 | 15h46

Um super-herói beberrão e desordeiro, que não se importa em destruir a cidade que ele tenta salvar da criminalidade e que se sente à vontade para destratar as pessoas ao seu redor. Esse é Hancock, o personagem principal do novo filme de Peter Berg (de O Reino), uma paródia que oscila entre o humor e o drama.   Veja também: Trailer de 'Hancock'    Interpretado pelo versátil ator Will Smith (de Eu Sou a Lenda), Hancock sabe que grandes poderes levam a grandes responsabilidades. Mesmo assim, ele não se mostra muito prudente para executar seus salvamentos em Los Angeles.   Em uma cena de perseguição, por exemplo, Hancock está embriagado. Por isso, se mostra mais prejudicial que os próprios bandidos, arrebentando placas, postes e até mesmo viadutos com sua força tão grande quanto misteriosa.   O resultado desse comportamento é natural: a comunidade o despreza e o enxerga mais como problema do que solução. Essa é a graça do filme de Berg. Ao mostrar um super-herói às avessas, que se vê obrigado a fazer o bem, mesmo sem vontade, cria situações divertidas, se apoiando no carisma de Smith.   O filme ganha fôlego com a entrada de um relações-públicas interpretado por Jason Bateman (de Juno), que tenta salvar a imagem de Hancock.   Politicamente correto, o personagem faz de tudo para o herói voltar a ser respeitado, incluindo aulas de cordialidade e aterrissagens mais suaves.   Na outra ponta, está a belíssima Charlize Theron, na pele da esposa desconfiada que guarda um grande segredo e se mostra bem mais do que uma mera dona-de-casa.   Apesar de alguns problemas no roteiro, o filme se sustenta pela atuação do trio protagonista, especialmente Smith, que mostra que é bom para fazer rir ou chorar.

Tudo o que sabemos sobre:
Will Smith'Hancock'estréiacinema

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.