Robyn Beck / AFP
Robyn Beck / AFP

Will Smith é banido por dez anos do Oscar

Decisão foi tomada pelo conselho da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas após o ator agredir Chris Rock durante a cerimônia do Oscar; ele ainda pode concorrer a prêmios, mas não votar

AP, Redação

08 de abril de 2022 | 16h35

A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas decidiu banir o ator Will Smith do Oscar ou qualquer outro evento ligado à premiação por dez anos presencial ou virtual. A decisão foi tomada após votação do conselho de administração, realizada nesta sexta-feira, 8. O ator não poderá mais dar seu voto a nenhuma das categorias da Academia do Oscar, embora possa concorrer por trabalhos futuros. 

Durante a cerimônia do 94.º Oscar, realizada no dia 27 de março, Smith subiu ao palco e deu um tapa no rosto do apresentador Chris Rock, que havia feito uma piada sobre a mulher do ator, Jada Pinkett Smith.

Em comunicado oficial, a Academia definiu a atitude de Smith como inaceitável. E, na semana passada, o próprio Smith havia renunciado à academia, afirmando que aceitaria qualquer punição que a entidade determinasse. 

Smith escapou de ser preso ainda durante a cerimônia por policiais presentes ao Dolby Theatre porque Rock decidiu não apresentar queixa formal.

 “A 94.ª edição do Oscar deveria ter sido uma celebração dos vários talentos da nossa comunidade que fizeram um trabalho incrível no ano passado. No entanto, esses momentos foram ofuscados pelo comportamento inaceitável e prejudicial que vimos o sr. Smith exibir no palco”, diz o comunicado.

Durante a transmissão, não abordamos adequadamente a situação no teatro. Por isso, lamentamos. Esta foi uma oportunidade para darmos um exemplo para nossos convidados, espectadores e nossa família da Academia em todo o mundo, e ficamos aquém – despreparados para o inédito”, continua o texto, que termina prometendo mais segurança aos convidados da Academia. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.