Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Weiwei: 'Se cada um tivesse mais noção de sua pequenez no universo as coisas seriam diferentes'

O artista chinês fala, em São Paulo, sobre seu ‘Human Flow’, que abriu a Mostra de Cinema, Trump e o planeta; veja os destaques da programação desta sexta-feira, 20

Luiz Carlos Merten, Impresso

19 Outubro 2017 | 20h31

Seus últimos dois dias haviam sido estressantes. Na terça à noite, 17, Ai Weiwei tentou embarcar de Nova York para o Brasil – São Paulo –, mas a atendente da United Airlines contestou a validade de seu visto e ele não conseguiu embarcar. Na quarta, quando a 41.ª Mostra estava começando, ele embarcou. Chegou em Guarulhos e correu para a coletiva de imprensa. À tarde, deu algumas individuais. O homem sentado à frente do repórter é a calma em pessoa. Como ele consegue...? “Acredito nas pessoas e não utilizo os contratempos para criar inimigos imaginários nem me queixar. Essas coisas acontecem. O importante é não se estressar.”

Ai ‘Ueiuei’ – ele próprio esclarece a pronúncia certa – criou o cartaz da Mostra deste ano. Seu longa Human Flow foi o que abriu o evento. A simples escolha do filme já equivaleu a uma tomada de posição da curadora (e diretora) da Mostra, Renata de Almeida. Human Flow, com o subtítulo de Não Existe Lar Se não Existe para Onde Ir, aborda uma das mais viscerais questões da atualidade – a tragédia dos refugiados. Mas Weiwei não vê seu filme dessa maneira – “Para mim, a questão é muito mais vasta. O que temos de discutir é uma questão muito mais abrangente, a própria sobrevivência do planeta. Ignorar os refugiados, o direito de ir e vir, ignorar toda a agressão ao meio ambiente, tudo está conectado e configura a crise imensa que vivemos.”

Enquanto espera para falar com Weiwei, o repórter assiste pela TV a uma troca de desaforos entre o presidente Donald Trump e o ‘líder iraniano’, como é identificado (sem nome) pela emissora dos EUA. O dirigente iraniano termina chamando Donald Trump de ‘vulgar man’, homem vulgar. Weiwei comenta. “O grande problema é o excesso de poder conferido a essas pessoas. Se cada um tivesse mais noção de sua pequenez no universo as coisas seriam diferentes.” Tudo bem, Human Flow pode não ser sobre refugiados, mas também é sobre eles. Considerando-se a história de Ai Weiwei, seus problemas com as autoridades chinesas, não é muito difícil entender por que, ou de que forma, o tema o toca. Será? “Quando me perguntam o porquê desse filme, nunca sei direito o que responder. O processo criativo nem sempre é claro, ou raramente é uma coisa consciente. A inspiração vem, você faz e só depois consegue racionalizar. Acho que tem a ver com a emoção, o sentimento. Você dá-se conta de como todas essas pessoas, e são milhões no mundo todo, estão sendo humilhadas, vilipendiadas. Se tem uma consciência, começa a reagir a esse estado de coisas.”

Outra confissão que pode surpreender. Weiwei não consegue se ver como um cineasta. “Sou um pouco mais que isso. Faço muita coisa, você sabe. Muita coisa visual, um tanto de comunicação verbal e tudo isso ligado a uma preocupação crítica com a mídia social.” Human Flow segue os refugiados na Europa, África, na fronteira mexicana. Sobre as imagens, Weiwei imprime muita coisa escrita – dados estatísticos, poemas. “É uma tradição da arte chinesa. Você encontra muita coisa escrita com as imagens.” Num conjunto algo discutível, as mais belas imagens de Human Flow são tomadas aéreas com drones. “Queria esse ângulo do pássaro voando. A pobre humanidade vista do alto.” O repórter conta que há um filme brasileiro – Exodus, de Hank Levine – que parte dos indivíduos para tentar chegar ao todo dessa tragédia. Weiwei vai na contramão. Busca o macro e não chega a individualizar seus personagens. “É muita gente, muito sofrimento”, resume.

Dicas para aproveitar a Mostra nesta sexta-feira, 20

Severina

Filme enigmático, mas sedutor, do diretor Felipe Hirsch, alça a literatura como ponto de partida para amores impossíveis. Como brinde, a bela arquitetura de Montevidéu

Três Anúncios para um Crime

Inconformada pela demora da polícia em desvendar o cruel assassinato de sua filha, mulher decide se vingar por conta própria. Frances McDormand exibe com perfeição o ódio misturado com tristeza, em um filme que exibe um autêntico perfil de parte dos eleitores de Trump

Mar de Tristeza

Em Cannes, a atriz e diretora Vanessa Redgrave disse que se sente de volta aos tempos de Ricardo III, tal o grau de vilania que percebe nos políticos que, em todo o mundo, conduzem a questão dos imigrantes e refugiados. Seu filme dialoga com o de Ai Weiwei, ‘Human Flow’

Yoga – A Arquitetura da Paz

O cineasta Heitor Dhalia e sua busca pelos gurus e grandes mestres do ioga, na Índia

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.