Walter Lima Jr. filma para televisão

Depois da experiência de O Monge e a Filha do Carrasco, Walter Lima Jr. deveria estar escaldado: filmes de encomenda, nunca mais. Mas ele se lançou a outra encomenta: O Filho Predileto. Achou que poderia integrá-lo à sua visão de mundo e de cinema. Está fazendo o filme com o máximo de empenho. O mesmo carinho que dedica aos seus filmes autorais. Ele conta isso no set de filmagem de O Filho Predileto, que ocorre sábado à tarde, no Alto da Boa Vista. Uma cena com Reginaldo Faria e Reginaldo Primo. Outra com Ornella Muti. O filme é uma co-produção internacional - Columbia, Rádio e Televisão Italiana, Globo Filmes. Vai diretamente para a TV. Na Itália será exibido pela RAI, no Brasil, pela Globo. E no restante do mundo? "Vai integrar o catálogo de telefilmes da Columbia, mas eu sinceramente não sei como nem onde será exibido." O Filho Predileto foi concebido como piloto de série. O protagonista é o investigador interpretado por Reginaldo Faria. Ornella Muti faz a italiana que vem ao Brasil e o contrata para procurar os pais biológicos de seu filho adotivo. O garoto está morrendo, precisa de um transplante.Antes que o acusem de pegar carona na novela Laços de Família, Lima Jr. explica que essa sinopse já vinha sendo trabalhada antes da novela de Manoel Carlos. Ele também diz que Ornella Muti não foi a primeira opção para o papel da italiana. "A RAI propôs outra atriz, que eu nem conheço; quando ela não pôde, por uma questão de datas, a Ornella surgiu como alternativa; acho que saí ganhando." O diretor de fotografia é Walter Carvalho, dos filmes de Walter Salles. Filma em super 16. Reginaldo Faria está de volta ao cinema, e com força. É o velho Brás Cubas de Memórias Póstumas, de André Klotzel, exibido, com sucesso, no Festival de Berlim. Será o príncipe no próximo filme de Ugo Giorgetti, em maio. Entre ambos roda o telefilme de Lima Jr. Confessa que foi difícil encontrar o tom para expressar na tela a ironia machadiana, no filme de Klotzel, mas diz que, felizmente, o diretor teve o cuidado de preparar os atores durante um certo tempo, para facilitar a tarefa. Faria está louco para voltar à direção. Seu roteiro sobre Eduardo Pareja está pronto. Espera colocar o filho Marcelo no papel. Mas está difícil captar recursos. "Nenhuma empresa quer ligar seu nome a um filme sobre um bandido; é a alegação deles", desabafa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.