Vitória abre festival de curtas

Na sexta, dia 25 de outubro, o Estado publicou uma reportagem - na seção Cultura & Patrocínio - sobre as dificuldades enfrentadas pelas realizadores do 9.º Vitória Cine Vídeo para tornar viável o evento cinematográfico mais importante do Espírito do Santo. E a reportagem antecipava: apesar da falta de dinheiro, a mostra de cinema e vídeo de Vitória iria realizar-se de qualquer maneira, porque Beatriz Lindenberg e Lúcia Caus, parceiras no Instituto Marlin Azul, acham que deve sair e fazem das tripas coração para que isso aconteça.Luz, câmera, ação: o 9.º Vitória Cine Vídeo começa hoje e vai até domingo, com quase tudo que Beatriz e Lúcia vinham anunciando. Mostra competitiva de curtas e médias, mostra de longas em pré-estréias, sessões na praia e na periferia. Mas ainda falta dinheiro para o concurso de roteiros, que leva à realização do curta para ser exibido no ano que vem, no 10.º Vitória Cine Vídeo - que Beatriz e Lúcia pretendem realizar, por maiores que venham a ser, de novo, as pedras no caminho.É o 9.º festival de cinema e vídeo de Vitória e a 6.ª Mostra Competitiva Nacional. A competição, portanto, é mais recente. Surgiu quando a empresa de Beatriz e Lúcia, o Instituto Marlin Azul - em homenagem ao peixe que existe em abundância na costa do Estado -, assumiu o controle do evento. Desde então, a festa capixaba tem premiado o melhor da produção de curta e média-metragem do País, nos suportes de cinema e vídeo.Durante seis dias, até o domingo, serão exibidos, com entrada franca, 30 vídeos e 37 curtas e médias em película. A abertura ocorre hoje no Teatro Glória com uma homenagem à atriz Marília Pêra, seguindo-se, no mesmo local, a exibição dos primeiros curtas da competição: Manoela, de Fabrício Cordello, do Espírito Santo, Françoise, de Rafael Conde, de Minas, Retrato Pintado, de Joel Pimentel, do Ceará, Morte, de José Roberto Torero, e Zagati, de Edu Felistoque e Nereu Cerqueira.Antes disso, Joel Pizzini ministra uma oficina sobre o roteiro, no limite entre o documentário e a ficção, e Luis Carlos Lacerda ministra outra sobre realização. A mostra capixaba exibe cinco longas em pré-estréia. Os selecionados deste ano são: Netto Perde Sua Alma, de Tabajara Ruas e Beto Souza, o primeiro a ser exibido, amanhã, e também Onde a Terra Acaba, de Sérgio Machado, Dois Perdidos numa Noite Suja, de José Joffily, Edifício Master, de Eduardo Coutinho, e o poderoso Madame Satã, de Karim Ainouz, que acaba de receber o prêmio especial do júri para melhor ator (Lázaro Ramos) na 26.ª Mostra BR de Cinema.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.