Reuters
Reuters

'Violência é forma de me conectar com público', diz Tarantino

Cineasta diz em entrevista que, quando dirige, sente que está conduzindo os sentimentos dos espectadores

EFE,

13 de janeiro de 2010 | 14h18

O diretor e roteirista Quentin Tarantino afirmou que a violência é "a melhor forma" de se conectar com o público ao fazer cinema.

 

"A violência é genial, você sabe que está vendo um filme porque há violência e isso afeta o público de uma forma tremenda. Cinema é sinônimo de violência", comentou Tarantino em palestra feita segunda-feira na sede da Academia Britânica de Cinema e Televisão, em Londres.

 

Em declarações publicadas pelo jornal "Evening Standard", o cineasta lembrou que, quando dirige, sente que está conduzindo os sentimentos dos espectadores porque pode decidir tanto a hora de eles rirem ou sentirem medo.

 

Para ele, é necessário que haja sangue na tela. "Quando alguém leva um tiro no estômago, sangra como um porco. É isso que quero ver, não uma mancha vermelha", ressaltou.

 

O diretor de filmes como "Pulp Fiction - Tempos de Violência", "Bastardos Inglórios" e "Kill Bill" criticou os cursos de cinema dos estúdios cinematográficos e encorajou os jovens a pegar uma câmera e sair filmando, pois foi assim que ele aprendeu. "Além disso, é muito barato", brincou.

 

Tarantino explicou ainda que um dos motivos que o levaram a ter John Travolta como protagonista de "Pulp Fiction", filme lançado em 1994 e que significou o relançamento de sua carreira, foi um artigo de sua crítica de cinema favorita, Pauline Kael, que defendia a volta do ator.

Tudo o que sabemos sobre:
Quentin Tarantino

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.