Vinte cineastas declaram seu amor a Paris

A velha associação entre Paris e o romance acaba de ganhar uma tese de proporções cinematográficas. Arregimentados pela produtora francesa Novem Productions, cineastas de diversos pontos do globo foram convidados a escrever e dirigir uma história de amor de cinco minutos ambientada em um dos 20 bairros (os arrondissements) da Paris contemporânea. O resultado formará o longa-metragem Paris, Je T´Aime. Dezoito diretores já assinaram com a produtora - um deles é o brasileiro Walter Salles, que co-dirigirá com Daniela Thomas, sua parceira em Terra Estrangeira e O Primeiro Dia, o episódio passado no 20.º distrito parisiense. O projeto está orçado em US$ 8 milhões e será lançado na primavera européia de 2004.Três dos 20 segmentos que formarão o longa-metragem de 120 minutos já estão prontos. São os dirigidos pela francesa Agnès Varda, que filmou com Julie Depardieu e David Deciron no 14.º arrondissement, pelo alemão Tom Tykwer, que promoveu o encontro entre Natalie Portman e Melchio Beslon no 10.º arrondissement, e pela britânica Sally Potter, que filmou com Fiona Shaw e Simon Abkarian no 6.º arrondissement. A produtora ainda está em negociação com Martin Scorsese ou Night Shyamalan para filmar um episódio no 1.º arrondissement, e John Malkovich ou Christopher Nolan para encenar uma história no 5.º arrondissement.A lista de adesões ao projeto, estelar, ainda conta com os americanos Woody Allen (8.º arrondissement) e Johnny Depp (3.º arrondissement), o mexicano Alejandro González Iñárritu (4.º arrondissement), os franceses Jean-Pierre Jeneut (7.º arrondissement) e Fanny Ardant (16.º arrondissment), o franco-suíço Jean-Luc Godard (11.º arrondissement), o inglês Tim Roth (12.º arrondissement), o espanhol Fernando Trueba (15.º arrondissement), o macedônio Milcho Manchevski (18.º arrondissement), o sul-africano Oliver Schmitz (19.º arrondissement), o canadense Vincenzo Natali (17.º arrondissement), o chinês Jian Wen (13.º arrondissement), o iraniano Abolfazl Jalili (9.º arrondissement) e o japonês Nobuhiro Suwa (2.º arrondissement).O produtor Emmanuel Benbihy, da Novem Productions, diz que, apesar de ser uma obra coletiva, Paris, Je T´Aime não é um mero filme antologia. Um personagem, sobre o qual os realizadores ainda preferem fazer segredo, servirá como elemento de ligação entre os segmentos e aparecerá também em cada um dos 20 filmetes. Segundo Benbihy, é esse personagem comum que garantirá a continuidade da narrativa. O produtor o descreve como "uma testemunha ocular da vida cotidiana parisiense". Para que o longa-metragem fique pronto dentro do cronograma previsto, todos os segmentos têm de ser filmados até agosto.A diversidade de mentes atrás de Paris, Je T´Aime certamente se refletirá no mosaico final. Sally Potter, por exemplo, filmou o encontro de um homem e uma mulher nos Jardins de Luxemburgo, inspirada por versos shakespearianos.O ponto de partida do conto imaginado por Tom Tykwer é o fim do romance entre um jovem cego e sua namorada, o que obriga o rapaz a rememorar a história de seu relacionamento. Agnès Varda cruza os caminhos de um mágico que trabalha como bilheteiro nas catacumbas de Montparnasse com um jovem leitora da sorte da Praça Denfert-Rochereau. Walter Salles e Daniela Thomas acompanharão o caso de um jovem mexicano (a ser interpretado por Gael García Bernal, protagonista de Diários de Motocicleta, que o diretor está filmando atualmente na América Latina) que se apaixona por uma garota francesa através das lentes de uma câmera Super-8.Fanny Ardant também utiliza uma câmera como objeto mediador de uma história de amor. No episódio a ser dirigido pela atriz francesa, um jovem cineasta sai provocando pedestres com uma câmera e perguntas absurdas, até que encontra uma moça dormindo sob uma árvore, que lhe devolve respostas mais absurdas ainda. Woody Allen, sempre perseguindo neuroses, escolheu um caso de adultério ambientado no hotel Plaza Athénée, um dos endereços mais elegantes de Paris. Um homem e uma mulher hospedados em quartos interligados acabam se conhecendo por acaso - o filme de Allen será falado em francês. Já o curta de Tim Roth tem nuances trágicas: depois de caminhar a esmo pelo 12.º arrondissement, um homem decide se jogar de uma ponte e lá encontra uma mulher pronta para cometer o mesmo ato desesperado.

Agencia Estado,

27 de janeiro de 2003 | 10h48

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.