Vin Diesel, o herói da vez

Será que Vin Diesel é o Arnold Schwarzenegger ou o Sylvester Stallone da vez? O herói de ação de Hollywood mudou, dos tempos de Victor Mature para os de Charles Bronson e Clint Eastwood, chegando a Russell Crowe ou Hugh Jackman. Mas o conceito não mudou, tanto que, como Mature em Sansão e Dalila, Diesel tem um peito maior que a mocinha do seu filme de sucesso, O Triplo X , que estréia dia 30 no Brasil.Diesel, que se chama Mark Vincent e nasceu a 18 de julho de 1967, tem alguns elementos coincidentes com outros atores que salvaram o mundo de maníacos, acabaram com psicopatas e defenderam o "american way of living". De cara, ele parece um Bruce Willis mal-acabado, com uma cara mais tosca, mas com a mesma careca e a voz rascante. Tem um corpo malhado como o de The Rock, o astro de O Rei Escorpião e a mesma incapacidade dramática que tornou Steven Seagal um totem emblemático da canastrice.Nova-iorquino, Diesel cresceu numa comunidade para artistas de Greenwich Village, criado por um pai adotivo e uma mãe que completava o orçamento da casa com viagens alternativas ao divã de psiquiatra e à bola de cristal de astróloga. Vin nunca conheceu seu pai biológico, mas cresceu com duas irmãs e um irmão gêmeo não-idêntico chamado Paul Vincent, que é montador de cinema.Seu primeiro contato com o teatro foi ocasional. Ele (com 7 anos) e alguns amigos entraram num teatro para vandalizar o lugar. Uma funcionária de lá parou a turminha brava e ofereceu a cada um deles US$ 20 e um roteiro, com a condição de que todo dia iriam lá, aprender a representar, depois da aula.Como o pai de Diesel tinha uma companhia off-off-Broadway, a carreira do rapaz foi em frente. Aos 17 anos e já com os 1,85m que tem hoje, tornou-se leão de chácara em alguns clubes noturnos de Manhattan. Foi nessa época que surgiu seu nome artístico, Vin Diesel.Depois do secundário, Vin Diesel resolveu seguir uma faculdade de inglês, mas saiu três anos depois, indo para Hollywood. Queria ser ator, mas o fato de ter experiência de palco não quis dizer nada na cidade do cinema.Frustrado, voltou para Nova York um ano depois, quando sua mãe, talvez de acordo com alguma feliz conjunção astral, deu-lhe um livro chamado Feature Films at Used Car Prices.Foi ali, segundo diz, que aprendeu a tomar as rédeas de sua carreira e resolveu fazer filmes. Escreveu o roteiro de um curta baseado nas suas experiências como ator, chamado Multi-Facial, rodado em três dias e que custou US$ 3 mil. O filme, de 1994, foi aceito no Festival de Cannes em 1995 e causou polêmica na época.Vin voltou a Los Angeles e usou o telemarketing para levantar US$ 50 mil e fazer o primeiro longa, Strays (1997). Seis meses depois de rodado, o filme foi aceito no Festival de Sundance; foi bem recebido, mas não rendeu o esperado.Vin voltou para casa até receber um telefonema decisivo na sua carreira: do outro lado do fio estava ninguém menos que Steven Spielberg. Ele disse que gostara muito de Multi-Facial e queria conversar com Vin, o que o levou a integrar o elenco de O Resgate do Soldado Ryan, de 1998.Também Multi-Facial foi o responsável por Diesel ser convidado para ser a voz do papel-título do animação O Gigante de Ferro (The Iron Giant/1999). A partir daí, sua carreira deslanchou, incluindo filmes como O Primeiro Milhão e Eclipse Mortal.Seu trabalho mais conhecido foi o de Velozes e Furiosos, em que fazia um sujeito esquentado que adorava disputar rachas. Fez, antes de O Triplo X, um papel de agente de narcóticos no filme Diablo, ainda inédito. E, futuramente, estrelará The Chronicles of Riddick, filme de ficção científica, no qual fará o mesmo papel de Eclipse Mortal.Diesel tem outro fã famoso, além de Spielberg. É Tom Hanks, que trabalhou com ele em Soldado Ryan. Diz Hanks: "Ele é Vin, doido para transformar a indústria do cinema à sua própria imagem. Sem dúvida, Vin já tinha realizado algo, antes desse filme, além de ter muita confiança".Hoje, Vin Diesel ganha US$ 20 milhões por filme e é a resposta de Hollywood a heróis não muito convincentes como Ben Affleck, Tobey Maguire e Matt Damon. O público feminino se derrete por ele. Nicole Kidman que o diga - já foram fotografados juntos dividindo o mesmo suflê de chocolate.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.