Vin Diesel, o astro de "Triplo X"

Quando a limusine pára diante do hotel The Shore Club, em Miami, as fãs gritam como se Tom Cruise ou Brad Pitt fossem saltar do carro. Só que no lugar de um galã sorridente, de olhos claros e traços delicados, quem chega é o ator Vin Diesel, de cabeça raspada, corpo musculoso e pose de leão de chácara. Afinal, era assim que ele ganhava a vida nos clubes nova-iorquinos antes de se tornar a nova sensação de Hollywood.?Tudo está acontecendo muito rápido??, disse o ator de 35 anos, que desembarca nos cinemas brasileiros nesta sexta-feira, vivendo um agente secreto às avessas em Triplo X. Na pele de um esportista radical que, a contragosto, acaba salvando o mundo de ataque nuclear, Diesel despenca de ponte em alta velocidade, salta de moto sobre explosão e controla míssil desgovernado nas águas do Rio Vltava, em Praga. ?Mas não serei um novo Arnold Schwarzenegger ou Sylvester Stallone. Não quero ficar restrito aos heróis de filme de ação??, disse o ator, em entrevista à Agência Estado. O cachê, pelo menos, já ultrapassou o dos dois outros fortões do cinema. Depois de receber US$ 10 milhões por Triplo X, que acumula mais de US$ 123 milhões de bilheteria nos EUA, em quarto semanas de exibição, Viesel conseguiu dobrar o salário em seu próximo filme. Levará US$ 20 milhões para encarnar Aníbal, um general da Cartagena no ano 270 a.C. ?Por ser um tipo comum, tenho obtido excelente resposta do público árabe, negro e hispânico, que raramente se enxerga nas telas??, contou o ator, tentando explicar a ascensão relâmpago. Quem o descobriu foi Steven Spielberg, que o escalou para uma ponta em O Resgate do Soldado Ryan. Depois vieram Eclipse Total, O Primeiro Milhão e Velozes e Furiosos ? sendo que o ator deslanchou em popularidade nesse último título, fazendo um tipo nervosinho que disputa rachas. ?Eu prefiro os papéis de anti-heróis por serem mais imperfeitos e coloridos.?? Leia, a seguir, os principais trechos da entrevista.Agência Estado - Desde quando usa a cabeça raspada, sua marca registrada nas telas?Vin Diesel - Comecei em 1990, quando raspar a cabeça virou febre em Nova York. Depois acabei mantendo o estilo porque os convites que recebia eram todos para interpretar homens com aparência severa, tipo militar. E agora é tarde. Não posso mais deixar crescer o cabelo. Do contrário, todos vão perceber que eu estou ficando careca (risos).Ao contrário dos seus personagens, você não tem tatuagem?Não. Por conta da profissão, acho melhor não arriscar. Agora, por exemplo, estou trabalhando na composição de meu novo personagem, um general que viveu antes de Cristo. Não acho que cairia bem ter escrito no bíceps ?mamãe e papai??.Não tem medo de ficar aprisionado no papel de valentão?Não. Me exercitar em diferentes gêneros é uma das minhas prioridades. Só aceitei interpretar Xander Cage em Triplo X porque ele é um astro underground. Se não fosse forçado a trabalhar como agente secreto, nunca pensaria em fazer a coisa certa. De qualquer maneira, sei que é fundamental conseguir resposta do público nas bilheterias antes de poder realmente escolher os papéis. Não teria sido convidado para encarnar Aníbal se Velozes e Furiosos não tivesse sido rentável e Triplo X não estivesse seguindo o mesmo caminho.Como se preparou fisicamente para ?Triplo X???Três meses antes de iniciar as filmagens eu tive de começar a treinar motocross, snowboarding, skatismo, paraquedismo e escalada. Só que eu me empolguei tanto, fazendo manobras arriscadas no motocross, que me pediram para parar de treinar. Tinham medo que eu me ferisse e acabasse comprometendo a filmagem. Antes mesmo de encarnar o personagem, eu já era um rebelde no set (risos).Chegou a se machucar ao rodar cenas de ação?Não. Tive muita sorte, apesar de ter me arriscado em algumas cenas. Principalmente quando eu tento desativar o míssil acoplado em barco em alta velocidade. Se tivesse caído na água gelada, teria morrido de hipotermia.Por que você não aceitou atuar na seqüência de ?Velozes e Furiosos???Você viu Velozes e Furiosos? Sim. E você viu Triplo X? Se você tivesse de escolher, qual dos dois seria? Eu não quero me repetir. Não importa o quanto me ofereçam de cachê.Já se acostumou com a fama?Não. Você nunca antecipa o custo da perda da privacidade quando começa no showbiz. Mas tenho medo de reclamar muito e parecer mal-agradecido. Só digo que a coisa parece estar fugido ao controle. Fico muito constrangido quando percebo que as pessoas agora reparam no jeito que eu falo, ando, como, bebo, danço, etc. Adoraria se houvesse um botão de ligar e desligar. Mas infelizmente ninguém te dá um controle remoto quando você entra para Hollywood.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.