Stefan Wermuth
Stefan Wermuth

Viggo Mortensen apoia luta do cinema na Argentina contra Macri

"Assim, Macri, Avelluto (ministro da Cultura) e todos os fanfarrões neoliberais, parem de encher o saco. Não à destruição do cinema argentino", disse o ator

Reuters

20 de abril de 2017 | 12h17

O célebre ator Viggo Mortensen declarou apoio aos apelos da indústria cinematográfica da Argentina para manter o financiamento à produção local em um vídeo crítico divulgado na quarta-feira no qual chamou o presidente Mauricio Macri de "fanfarrão neoliberal".

Diretores, atores e produtores locais de cinema denunciaram em vários protestos nesta semana que o governo, que busca reduzir o déficit fiscal depois de anos de políticas assistenciais de centro-esquerda, pretende cortar o financiamento que a produção nacional recebe há anos através de um fundo de fomento.

"Os sistemas de apoio estatal ao cinema em países como Argentina e França são exemplos únicos e exitosos de fomento cultural, são admirados em todo o mundo", começa dizendo Mortensen em um vídeo publicado na quarta-feira na conta de Twitter da Associação Argentina de Atores.

Mas o artista norte-americano --que em sua infância morou vários anos na Argentina-- imediatamente eleva o tom de sua queixa: "Assim, Macri, Avelluto (ministro da Cultura) e todos os fanfarrões neoliberais, parem de encher o saco. Não à destruição do cinema argentino".

O apelo teve início na semana passada, quando o ministro Pablo Avelluto pediu a renúncia do titular do Instituto Nacional de Cinema e Artes Audiovisuais (Incaa), Alejandro Cacetta, por suspeitas de irregularidades no manejo de gastos, algo que foi rejeitado de imediato pela comunidade cinematográfica local.

Uma fonte do Ministério da Cultura disse à Reuters que o governo só quer tornar a Incaa transparente e que não tem nenhuma intenção de modificar o fundo de fomento ao cinema.

Mas os representantes da indústria local afirmam que esse Fundo, nutrido por impostos sobre os ingressos de cinema e por tributos pagos pelas operadoras de TV a cabo, irá diminuir devido a uma Lei de Comunicações Convergentes que o governo está tentando aprovar e que desviaria o destino de parte destes encargos.

"O cinema argentino se autofinancia e é uma fonte de orgulho para todos os argentinos", afirma Mortensen, que neste ano foi indicado a um Oscar por seu papel de pai pouco convencional em "Capitão Fantástico", no vídeo de curta duração.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.