Historical Collection/Rex/Shutterstok e Focus Features
Historical Collection/Rex/Shutterstok e Focus Features

‘Victoria & Abdul’ coloca Frears na contracorrente de ‘A Rainha’

Longa desfaz operação de apagamento depersonagem real e mostra como a soberana reverteu impeachment

Luiz Carlos Merten, O Estado de S. Paulo

22 Novembro 2017 | 06h00

Começa contando, em paralelo, as histórias da rainha Victoria e daquele que será seu ‘munshin’. A velha Victoria e a rotina da corte; e o indiano Abdul, que viaja meio mundo para entregar, em Londres, a memória comemorativa do reinado de ‘Victoria’. Na corte, o encarregado da etiqueta bate na tecla – ‘Olhos no chão, não encare a rainha’. Mas Abdul olha. Não apenas faz contato visual como Victoria corresponde. O que ela vê no indiano alto fica um pouco por conta do espectador, mas a vida de nenhum dos dois será a mesma depois da troca de olhares.

Victoria & Abdul tem sido encarado com preguiça pela maioria da crítica. O filme seria ameno como um chá das 5, senão pior – um repeteco de A Rainha, outro longa do britânico Stephen Frears, sobre outra monarca, Elizabeth II. Nada mais equivocado. Victoria & Abdul constrói-se na contracorrente de A Rainha. Está mais próximo de Sua Majestade, Mrs. Brown, também com Judi Dench, sobre outra amizade excêntrica da Rainha Victoria. A Rainha é sobre como um plebeu, o primeiro ministro trabalhista Tony Blair, salvou a realeza do país, num momento em que o clamor popular provocado pela morte da Princesa Diana se voltava contra a Coroa.

Blair convence a rainha de que seu silêncio é nocivo. Como ‘trabalhista’, não estaria sendo um traidor de sua classe? Victoria & Abdul é agora sobre um complô palaciano para destituir a rainha. Seu filho, quase sexagenário, não aguenta mais essa mãe aferrada ao trono. A amizade de Victoria com Abdul vira pretexto para a tentativa de impedimento. O filho orquestra com o médico real o plano para declará-la insana, portanto, incapaz. No limite, Victoria, com sua sagacidade, desfaz o plano e ainda supera o que quase vira uma rebelião no palácio. Mas nem ela, a mulher mais poderosa do mundo, em seu tempo, poderá proteger o munshin/secretário. Victoria sabe e o adverte. A vingança será terrível. Abdul será apagado da história.

Assim permaneceu até 2010, quando foram descobertos, na Índia, seus diários. A partir daí, o apagamento foi desfeito. Abdul voltou a existir e a sordidez da intriga veio a público. É um história real – ‘mostly’, quase toda. Frears toma liberdades. Seu(s) filme(s) diverge(m) das abordagens de Hollywood – O Discurso do Rei, por exemplo. Frears expõe os bastidores. Interessa-se pelo funcionamento do intestino real. Madame (a rainha) obrou? Victoria escreve para seu médico, usando o plural majestático: “Obramos às 8h30 desta manhã”. Victoria & Abdul é inteligente, desmistificador. E, para o público brasileiro, o foco no impeachment não poderia ser mais sugestivo.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.