'Versos de um Crime' traz Daniel Radcliffe como Allen Ginsberg

Ator quer deixar Harry Potter para trás, e agora interpreta o ícone da Geração Beat no filme de John Krokidas

Pedro Caiado, Especial para O Estado de S. Paulo

06 Setembro 2014 | 16h00

LONDRES - Após pouco mais de dois anos do lançamento do último filme da franquia Harry Potter, sua principal estrela, Daniel Radcliffe, aos 25 anos, tem indicado, cada vez mais, sua vontade de se distanciar do personagem que viveu por quase uma década e o tornou um dos atores mais bem-sucedidos da história do cinema recente. Radcliffe conseguiu o papel de Potter com apenas 10 anos – um feito que mudaria sua vida para sempre. 

Apesar de querer lançar um feitiço para fazer desaparecer o bruxinho, o ator reconhece que Harry Potter continua no imaginário de muitos. “Aceito que sempre serei associado com a franquia, e não vejo nenhum problema com isso”, diz ele, em entrevista ao Estado. A força do personagem deixou legado: um ‘museu’ na Inglaterra e o site Pottermore, lançado para continuar a magia de J.K. Rowling. 

Entretanto, criador e criatura seguiram caminhos distintos: Rowling lançou dramas policiais utilizando também um pseudônimo enquanto Radcliffe foi atrás de papéis opostos ao que o público esperaria vê-lo. “Não decido quais filmes farei baseado no que as pessoas vão pensar, pois acho que tenho de fazer o que me deixa feliz.” Caso de Versos de um Crime, por ora só disponível para locação – e à venda a partir de 19 de novembro, em DVD e Blu-Ray. 

No filme, o ator interpreta o jovem poeta americano Allen Ginsberg. A história é baseada em fatos reais e aborda o início da chamada geração Beat. “Achei perfeito viver essa história, pois é sobre um jovem homem se tornando adulto. É nesse estágio que me sinto no momento”, afirma.

Ginsberg era gay em uma época que homossexualidade era considerada crime. O filme aborda o difícil início do poeta quando chega à Universidade de Columbia em 1945. Ele conhece Lucien Carr (vivido por Dane DeHaan), um rapaz de espírito solto e ousado e que rapidamente o seduz com seu jeito extrovertido. 

“Ginsberg tinha muita confiança, mas não conseguia transportá-la para sua vida social, por isso ele se apaixona por Lucien Carr, que é o oposto dele”, explica Radcliffe sobre o que se tornaria um romance gay. Carr é complexo, mas também cool: é ele quem apresenta Ginsberg a figuras como Jack Kerouac e William S. Burroughs – no longa, papéis de Jack Huston e Ben Foster, respectivamente –, bem antes de se tornarem lendas da literatura. 

“Minha fonte de inspiração para viver Ginsberg foram os seus diários. Você percebe a diferença entre quem ele é e quem ele acha que é. Ele sabia que seria famoso e seus diários seria lidos.” 

No filme, Radcliffe realiza difíceis cenas: em uma delas, ele está nu e faz sexo com outro homem – uma cena de 30 segundos, mas suficiente para atrair a atenção. “O diretor (John Krokidas) queria fazer algo que parecesse autêntico e acho que alcançamos isso.”

VERSOS DE UM CRIME

Direção: John Krokidas

Elenco: Daniel Radcliffe, Dane DeHaan, Michael C. Hall, Jack Huston, Ben Foster, Jennifer Jason Leigh

Distribuidora: Paris Filmes

Somente locação

Mais conteúdo sobre:
Cinema Daniel Radcliffe Allen Ginsberg

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.