Vencedor do Oscar de animação estréia hoje

Em maio, quando o repórter do Estado esteve em Los Angeles, para a estréia mundial de Procurando Nemo, houve um encontro com os animadores da Pixar. Interrogado sobre o que pensava de Hayao Miyazaki, o animador japonês que fez o vencedor do Oscar da categoria neste ano, A Viagem de Chihiro, o co-diretor Andrew Stanton curvou-se, como se só falar nele já invocasse o deus da animação. Disse que Miyazaki é o grande artista que todo animador apaixonado por seu ofício gostaria de ser. A Viagem de Chihiro estréia hoje em 107 cinemas de todo o País, quase um ano e meio após haver dividido (com Bloody Sunday, de Paul Greengrass) o Urso de Ouro no Festival de Berlim de 2002. É magnífico (leia crítica). De Tóquio, o produtor do filme, Toshio Suzuki, também animador, respondeu por e-mail às seguintes perguntas."Chihiro" e os demais filmes de Hayao Miyazaki costumam ser apresentados como animações para crianças, mas talvez sejam muito mais desenhos para adultos. O que o senhor e o próprio Miyazaki pensam disto?Toshio Suzuki - Penso que a animação é o meio mais adequado para entreter e comunicar idéias às crianças. Chihiro é um filme para crianças. O sr. Miyazaki o fez para cinco meninas, filhas de seus amigos, que tinham em torno de 10 anos quando ele iniciou o projeto. Mas eu também penso que, independentemente do que seja o tema do filme, é importante que o público sinta prazer em vê-lo. Fizemos My Neighbor Totoro para crianças bem pequenas; Laputa: Castle in the Sky, sobre um garoto que busca uma cidade perdida no céu, e Kiki´s Delivery Service, sobre uma garota que adquire confiança, para platéias um pouco maiores. Trabalhamos com diferentes temas e objetivos a cada vez, mas no Japão temos a sorte de que nossos filmes sejam vistos indistintamente por crianças e adultos. Por isso, costumamos dizer que nosso público são crianças dos 3 aos 100 anos.Chihiro costuma ser comparado a Alice no País das Maravilhas. O que o sr. Miyazaki responde a isso?Ele gosta muito de Alice, mas diz que não foi diretamente influenciado pelo livro de Lewis Carroll. As influências que existem são indiretas.A história de Chihiro trata de crianças e deuses, muitos deuses, com diferentes características e poderes. O que significam esses deuses?Alguns saem da imaginação do sr. Miyazaki, outros são contribuições dos artistas que trabalham com ele. Muitos baseiam-se em velhas lendas. No Japão antigo, a crença é que os deuses habitavam rios, árvores, arrozais, estavam presentes em toda parte. Existe até uma expressão, "yaoyorozu no kami", que significa 8 milhões de deuses. Também acreditamos, em nossa cultura, que os humanos vivem com os espíritos e os deuses no mundo, mas eu, pessoalmente, não creio muito nesse tipo de interação.Qual é o sentido do filme para o senhor?Chihiro liberta seus pais de Yubaba ao passar pelo teste final, mas sem a ajuda de Haku não conseguiria isso. Sua aventura no mundo estranho a leva a aprender sobre amizade e devoção e ela desenvolve a capacidade de usar a inteligência para enfrentar o perigo e achar o caminho de volta para o mundo das pessoas comuns. As crianças podem fortalecer seus egos ainda frágeis projetando-se na experiência de Chihiro. O sr. Miyazaki usou a fantasia para falar de coisas essenciais que foram esquecidas pelas pessoas. Ao fazer de sua heroína uma menina de 10 anos, ele permite que um público mais amplo estabeleça uma relação de empatia com Chihiro e também aprenda com a experiência dela.Qual é o interesse do sr. Miyazaki pelas modernas técnicas de computação gráfica usadas por estúdios como a Pixar?O sr. Miyazaki é amigo de John Lasseter há 20 anos. Viu Toy Story 1 e 2 e aprecia muito os dois filmes, mas isto não significa que tenha interesse em técnicas computadorizadas de animação. No Estúdio Ghbili, fazemos as animações artesanalmente, desenhando e pintando à mão. Às vezes usamos algum efeito de computador, mas isto não muda nosso estilo básico, que privilegia a animação tradicional.Qual é a importância do Oscar para o sr. Miyazaki?Ele acha que o Oscar é uma porta para conquistar o público americano e também o de outros países, que recebem o cinema pela via de Hollywood. Neste sentido, acha o prêmio positivo, não o subestima.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.