Divulgação
Divulgação

'Velozes e Furiosos' promete quebrar recordes de bilheteria

Após morte de Paul Walker, diretor procurou fazer uma despedida honrosa para o ator; longa estreia dia 2 de abril; confira o trailer

Mary Milliken, Reuters

26 Março 2015 | 11h46

Quando seu ator principal morreu de repente, James Wan sabia que não havia outro diretor que pudesse dar conselhos de como terminar o filme.Wan estava na metade da produção de Velozes e Furiosos 7 - seu primeiro filme de grande orçamento da franquia da Universal Pictures - quando Paul Walker morreu em um acidente de carro na Califórnia em novembro de 2013.

Como o diretor de 38 anos e seu elenco e equipe lidaram com a falta de Walker promete ser um dos tópicos mais comentados em um dos maiores longas do ano. O filme de 190 milhões de dólares estreia nos cinemas dos EUA no dia 3 de abril e a expectativa é que quebre os recordes de bilheteria com 115 milhões de dólares no fim de semana de estreia.

Após uma pausa na produção, o elenco começou a selecionar milhares de horas de filmagens de Walker, não só do último filme, mas de todos os filmes da saga, para achar cenas e áudios para o lançamento.

Além do uso da tecnologia, a equipe convidou os dois irmãos mais novos de Walker para participar.

Críticos concordam e encorajam os espectadores a não tentar descobrir os truques. "Na maior parte que Walker está na tela (que é bastante), é quase impossível dizer se é real ou parcialmente virtual", disse o crítico cinematográfico Scott Foundas.

Walker reprisou seu papel como o ex-policial Brian O'Conner, que se junta a um grupo eclético de pilotos de rua liderado por Dominic Toretto, interpretado por Vin Diesel.

O diretor Wan sabia desde o começo que não deveria matar o personagem de Walker.

"A única coisa a se fazer é aposentá-lo com delicadeza e se despedir dele da maneira mais honrosa que pudermos pensar", disse Wan.

Sobre outro filme na franquia da Universal sob seu comando, Wan não diz nada.

Mais conteúdo sobre:
CinemaPaul Walker

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.