Vampiro de Murnau põe Dafoe na corrida pelo Oscar

Um dos mais importantes nomes do cinema expressionista alemão do início do século serve de inspiração para o filme que deve colocar Willem Dafoe na corrida pelo Oscar. O mistério em torno de F.W. Murnau, o diretor de Nosferatu, forma a base de Shadow of the Vampire, que especula como teriam sido as filmagens do clássico do terror nos anos 20. Com John Malkovich no papel do cineasta, a produção tem tudo para chamar a atenção da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood.Ao lado de Fritz Lang e G.W. Pabst, Murnau era o mais importante cineasta da Alemanha nos anos 20, considerando-se "um cientista criando memórias para o futuro". Reservado e enigmático (alguns historiadores acreditam que a razão para o mistério era esconder seu homossexualismo), ele deixou poucos registros de sua vida, encerrada com um acidente de carro aos 42 anos, em 1931. Ele fez 22 filmes, mas menos da metade sobreviveu.Nosferatu, sua obra-prima, era uma cópia de Drácula feita sem a autorização da viúva de Bram Stocker. Rodado em locações lúgubres na Europa Oriental, o filme teve o desconhecido ator Max Schreck fazendo o papel do conde Orlock, um dos mais assustadores vampiros que o cinema já viu. Conhecido por fazer trabalhos intensos com seus atores, Murnau gostava de misturar ficção com realidade e teria mantido o passado de Schreck em segredo, detonando uma série de especulações.Há alguns anos, o roteirista Steven Katz começou a pesquisar o universo de Murnau e desenvolveu a história de Shadow of the Vampire, que explora o que teria acontecido no set se Max Scherck fosse mesmo um homem desajustado com tendências vampirescas. Na trama, o cineasta teria descoberto o "ator" em um castelo em Luxemburgo e garantido sua participação na fita prometendo o pescoço da atriz principal, Greta (vivida por Catherine McCormack).Para convencer a equipe, o cineasta diz que Schreck era um ator com métodos "intensos" de interpretação, inspirados por Stanislavski, que pediam caracterização em tempo integral. A farsa começa a dar errado quando o vampiro não consegue esperar para conseguir sua amada e episódios misteriosos começam a acontecer no set.John Malkovich consegue mais uma vez ter uma interpretação brilhante, construindo uma versão determinada e ambígua de Murnau, que dirigia suas cenas "teleguiando" os atores ao vivo. Mas o destaque do filme é realmente Dafoe, coberto por uma maquiagem impressionante. O ator consegue dar vida a Schreck/Nosferatu com a mesma força do filme original de Murnau sem nunca parecer caricato demais. Katz disse ter escrito o papel de Schreck pensando em Dafoe. "Ele tem todas as qualidades necessárias, ele pode ser assustador e erótico, uma mistura perfeita para o personagem", diz o roteirista. O elenco conta ainda com a participação do comediante inglês Eddie Izzard, ótimo como um dos atores de Nosferatu. Dirigido por Elias Merhige (de Begotten) e rodado em castelos de Luxemburgo, Shadow of the Vampire é um cult instantâneo do cinema.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.