USP cria núcleo para ajudar roteiristas

O cinema brasileiro - acreditammuitos - peca por fragilidades em um de seus principaisingredientes: o roteiro. Por isso, Carlos Augusto Calil,professor da USP, que já presidiu a Embrafilme e a CinematecaBrasileira, desafiou colegas da Escola de Comunicações e Artes(ECA) a formar o Núcleo de Pesquisa em Dramaturgia Audiovisual(Nudrama - www.eca.usp.br/nucleos/nudrama). Jean-Claude Bernardet, co-roteirista de Um Céu deEstrelas (1996) e Através da Janela (2000), ambos de Tata Amaral aceitou o desafio. Desde 1999, ele integra, ao lado deprofessores e pós-graduandos da USP, o Nudrama. O Núcleo temcaráter interdisciplinar e seu objetivo "é construir ponteentre a pesquisa acadêmica e a atividade profissional,aprofundando pesquisas estéticas em Dramaturgia (cênica eaudiovisual)". Também integram seus quadros os professores RobertoMoreira (O Cão Louco) e Rubens Rewald (dramaturgo e diretor deMutante, realizado em parceria com Rossana Foglia, tambémintegrante do núcleo), a roteirista Sabina Anzuategui (Desmundo)e o pós-graduando Carlos da Silva Pinto. A cineasta Tata Amaral não tem vínculos institucionaiscom o Nudrama, mas - por sua fértil e permanente parceria comJean-Claude Bernardet - acompanha com enorme interesse otrabalho do coletivo. Mesmo caso de Fernando Bonassi, romancista dramaturgo, cineasta e roteirista. Os integrantes do Nudrama recebem, na USP, roteiroscinematográficos e peças teatrais para leitura e, depois, há umdebate crítico com seus autores. "Nossos comentários podem ounão ser aproveitados pelo roteirista ou dramaturgo que nosprocura", contou Bernardet na primeira reunião pública do grupo fora do campus da Universidade (no seminário-mostra Cinema daRetomada, em São Bernardo, no ABC paulista). Os tradicionalistas - apreciadores de roteiros comcomeço, meio e fim, nesta ordem, e personagens de perfispsicológicos bem delineados - podem incomodar-se com as idéiasque fertilizam o trabalho do grupo. Bernardet disse, no mesmoseminário em São Bernardo, que prefere "filmes que procuremnarrativas lacunares, que deixem buracos, ambigüidades". Ouseja, que "não afirmem coisas muito categóricas, que solicitembastante do espectador, motivando-o a estabelecer novas relaçõese justaposições". Os interessados em contar com assessoria do Núcleo devemenviar seu argumento (de filme ou peça teatral) paranudrama@terra.com.br. O material será avaliado pelo grupo, quedecidirá se é interessante a ponto de merecer consultoria.Atualmente o Nudrama analisa argumentos cinematográficos eteatrais "gratuitamente". Mas Rossana Foglia avisa que,"devido ao volume de projetos, estamos estudando uma forma de,a partir de 2003, remunerar nosso trabalho". Quem desejar enviar roteiro (e não apenas o argumento)de longa-metragem ou a íntegra de peça teatral deve fazê-lo pelocorreio. "Preferimos"- pondera Rossana - "acompanhar aevolução do trabalho, em processo que vai do argumento aoroteiro final". Por isso, "o ideal é começar nos enviando oprimeiro argumento". Rossana detalha o processo de trabalho no Nudrama:"Dois integrantes lêem o projeto. Se for consideradointeressante, todos os integrantes receberão cópia e aconsultoria se dará em sessão de três horas, com a presença dodiretor-roteirista. Nessa sessão, primeiro falam os integrantesdo Núcleo. Depois, o autor será ouvido. Aí, iniciamos o diálogo.A sessão não consiste apenas de críticas e elogios, masprincipalmente de análise e apontamento de possibilidades dedesenvolvimento dramático do projeto." Detalhe importante: o Nudrama exige dos realizadores,que passaram por suas sessões de trabalho, o crédito de"consultoria criativa de roteiro", caso o filme seja realizadoou a peça montada. Dois integrantes do Nudrama, Rossana e Rewald, vão levarseu filme Mutante ao Festival de Clermont-Ferrand acompanhar ofilme, entre 31 de janeiro a 8 de fevereiro. Quando voltarem, sededicarão a novos trabalhos do Nudrama, em especial à nova etapada Oficina de Dramaturgia. "Além de sessões de consultoria" -conta a cineasta - "o Nudrama organiza Oficinas de Dramaturgia(para Cinema e Teatro). Já foram realizadas três: Monólogos,Diálogos e Dramaturgia de Diversidade Sexual. "Para 2003,preparamos performance em teatro e vídeo, resultado da Oficinade Monólogos." Rossana explica o que será a performance prevista para2003: "Nesta que é a terceira etapa da Oficina de Monólogos, ummesmo texto (um monólogo) será apresentado como teatro(cenicamente) e em formato audiovisual (vídeo digital). Um apóso outro. O texto e seus desdobramentos nos dois formatos foramtrabalhados pelos participantes com o Nudrama, ao longo de 12meses." E conclui: "Trata-se de projeto dramatúrgico ousado,pois mexe com dois meios distintos. Acreditamos que vai dar oque falar."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.