United 93 abre Festival de Cinema de Tribeca

O polêmico filme United 93, que fala sobre os atentados de 11 de setembro, foi escolhido para abrir o Festival de Cinema de Tribeca, na próxima terça-feira, 25 de abril. Dirigido pelo britânico Paul Greengrass, o filme estréia simbolicamente em Nova York em meio a uma grande polêmica sobre o oportunismo do seu lançamento, os interesses econômicos de Hollywood e a questão da realidade e da ficção no cinema.United 93 retrata o vôo da companhia aérea United Airlines que partiu de Newark (Nova Jersey) com destino a São Francisco (Califórnia) e que foi desviado por quatro terroristas com a intenção de atacar o Capitólio, caindo na Pensilvânia na manhã de 11 de setembro de 2001."O filme conta a história dessa manhã e espero que sua exibição em Tribeca, um festival cujas raízes e inspiração nasceram como uma resposta à devastação do 11-9, relembre a coragem dos que estavam a bordo e das milhares de pessoas que viveram um cenário igualmente inimaginável em Nova York e Washington", disse o cineasta em um comunicado.Os fatos são retratados desde a decolagem até a trágica colisão da aeronave, passando pelo momento em que a tripulação e os 40 passageiros a bordo se deram conta de que eram vítimas de uma série de ataques terroristas coordenados. Foi esse momento, em que os passageiros se perceberam como vítimas, que fez o diretor ter a vontade de contar a história do último dos quatro aviões seqüestrados em 11 de setembro."Os passageiros começaram a perceber que algo terrível estava ocorrendo. Enquanto nós não sabíamos a causa, eles sabiam porque tinham os quatro seqüestradores à frente", disse Greengrass à revista Entertainment Weekly.Sob as condições mais estressantes que se possa imaginar, os passageiros a bordo tiveram que tomar o controle da situação. Nunca se saberá exatamente o que houve durante o vôo, mas o cineasta se baseou em todas as fontes a seu alcance, inclusive nas gravações da cabine do piloto, no relatório da Comissão do 11 de setembro e nas ligações celulares dos passageiros.Embora o filme tenha sido rodado em 2005, a história corresponde às gravações dos passageiros reveladas na semana passada durante o julgamento contra Zacarias Moussaoui, processado nos EUA por ter participado dos atentados.Com o apoio financeiro da Universal Studios, United 93 é o primeiro grande projeto de Hollywood que aborda diretamente o tema dos atentados do 11 de setembro.A polêmica foi deflagrada semanas antes da sua estréia em Tribeca em sites na internet, na imprensa escrita, no rádio e na televisão.A revista Newsweek fez a pergunta: "alguém vai querer ver este filme?", ao passo que leitores de blogs debateram a ética de Hollywood e o a possibilidade de se obter proveito econômico de uma tragédia como a do 11 de setembro.Para Greengrass, se os jornais, revistas, a TV, o rádio, os livros e as peças de teatro já abordaram o tema, não há razões para não retratá-lo no cinema. "O momento apropriado para contar esta história é quando as famílias das vítimas dizem que sim", disse Greengrass.Allison Vadhan, filha da passageira Kristin White Gould, considera que a dor "nunca terminará para as famílias que perderam seus entes queridos", mas acredita que quantos mais filmes houver sobre os atentados, melhor. "Não podemos esquecer. Temos que lembrar o que aconteceu e por que aconteceu. Não podemos nos enganar pensando que não acontecerá de novo", disse Vadhan nas notas de produção do filme.

Agencia Estado,

23 de abril de 2006 | 14h40

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.