Uma Thurman, a vingadora de "Kill Bill"

Ela faz uma vingadora no novo filme de Quantin Tarantino. Uma Thurman volta à tela grande amanhã nos Estados Unidos, onde estréia a primeira parte de Kill Bill. A segunda fica para fevereiro de 2004. Golpe de marketing da Miramax, coisa de cult programado, pode-se dizer tudo sobre a superexposição das atrizes e do diretor de Kill Bill. O que não se pode dizer é que Uma Thurman não tenha neste filme um papel de violência extrema, mas sem nenhum tiro. Nova York está empastelada por Kill Bill. Vê-se menções ao filme em toda parte. Daryl Hannah está na capa da Playboy americana deste mês. Vivica A. Fox e Lucy Liu também estão na crista da onda. Mas quem vai cintilar no topo máximo das celebridades é mesmo Uma Thurman. Espada em punho, ela vai fazer sangue jorrar nos cinemas dos Estados Unidos nesta sexta-feira.O caso é que a atriz protagoniza uma cena que Tarantino levou oito semanas para filmar em que ela mata 88 oponentes com sua espada de samurai. Nada mau para um filme em que foram gastos 378 litros de líqüido vermelho, ou exatos 100 galões, para fazer vezes de sangue. E tudo a ver com a trama: Uma sai em vingança contra seu atigo chefe, o Bill, que atentou contra ela. Tenta matar Bill, mas, se conseguir, o fará apenas no segundo filme, pois David Carradine, que vive o personagem alvo, não chega sequer a aparecer neste primeiro volume de Kill Bill. O cartaz de Kill Bill mostra uma mão de mulher que empunha uma espada. Em cima, a frase: "Here comes the bride." A noiva que está chegando é a personagem de Uma Thurman. Mangá, western spaghetti, aventuras chinesas de artes marciais e japonesas de samurais. O enorme caldeirão de referências pop de Quantin Tarantino faz deste seu quarto filme um monumental filme B.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.