Reprodução
Reprodução

Uma palma, o Brasil na Croisette

País já levou alguns dos principais prêmios do festival e participará de várias mostras este ano

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

14 de maio de 2012 | 16h34

Embora tenha recebido somente uma Palma de Ouro - por O Pagador de Promessas, de Anselmo Duarte, em 1962 -, o Brasil tem tradição na Croisette. O País já ganhou um prêmio de aventuras (O Cangaceiro, de Lima Barreto); de direção (O Dragão da Maldade, de Glauber), a Palma de Ouro do curta (Meow, de Sérgio Magalhães), prêmios de interpretação (Fernanda Torres, por Eu Sei Que Vou te Amar; e Sandra Corvelloni, por Linha de Passe) e de crítica (por Vidas Secas e Memórias do Cárcere, de Nelson Pereira). 

Este ano, além de homenageado, o Brasil tem vários filmes em coprodução. O de Walter Salles, On the Road, é franco-americano. La Playa DC, de Juan Arano, em Un Certain Regard, é coprodução com a Colômbia; Infância Clandestina, de Benjamin Ávila, na Quinzena, com a Argentina. E existem os curtas.

O PAÍS NA CROISETTE 

Quinzena dos Realizadores

Longas-metragens: Infância Clandestina, de Benjamin Ávila (Argentina, Espanha, Brasil)

Curtas-metragens: Porcos Raivosos, de Leonardo Sette e Isabel Penoni; e Os Mortos-Vivos, de Anita Rocha da Silveira 

Semana da Crítica

Curta-metragem: O Duplo, de Juliana Rojas 

O documentário A Música, Segundo Tom Jobim, dirigido por Nelson Pereira dos Santos e Dora Jobim, será exibido em uma sessão especial 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.