Divulgação
Divulgação

'Um Namorado Para Minha Mulher' é vencedor do Brazilian Film Festival of Miami

Domingos Montagner, que está no filme de Julia Rezende, foi homenageado durante a premiação; o ator morreu no último dia 15

Adriana Del Ré, O Estado de S. Paulo

27 de setembro de 2016 | 22h41

O filme Um Namorado Para Minha Mulher, de Julia Rezende, foi o grande vencedor do 20.° Brazilian Film Festival of Miami, que, ao longo de quatro dias, apresentou no Colony Theather, em Miami Beach, alguns dos recentes sucessos do cinema nacional. O filme ganhou o troféu Lente de Cristal na escolha pelo voto popular. Durante a premiação realizada na noite de sábado, 24, Domingos Montagner, que, no longa, interpreta o personagem Corvo – o ator morreu no último dia 15 –, foi homenageado com a execução do hino do palhaço, primeira atividade artística de sua carreira. 



O filme abriu a Mostra Competitiva na quarta-feira, 21, com a presença da diretora, Julia Rezende, e da protagonista, Ingrid Guimarães. Concorriam com Um Namorado Para Minha Mulher os longas como Chatô - O Rei do Brasil, de Guilherme Fontes - ele também estava presente no evento; Big Jato, de Cláudio Assis; Mais Forte Que o Mundo - A História de José Aldo, de Afonso Poyart e Campo Grande, de Sandra Kogut. Fora da competição, o público pôde assistir a filmes como Pequeno Dicionário Amoroso 2, de Sandra Werneck; Jonas, de Lô Politi; Linda de Morrer, de Cris D'Amato; entre outros.

Adaptação do argentino Un Novio Para Mi Mujer, de Juan Taratuto, Um Namorado Para Minha Mulher conta a história de Chico (Caco Ciocler) e Nena (Ingrid Guimarães), que estão juntos há 15 anos e vivem uma crise conjugal. Sem coragem de se separar, Chico é convencido por amigos a contratar um amante para sua mulher, o sedutor Corvo (Domingos Montagner), para que ela se apaixone e decida, por conta própria, pedir o divórcio.  

Aniversário de 20 anos

A edição comemorativa de 20 anos do Brazilian Film Festival of Miami, que teve início no dia 17, com o filme Encantados, de Tizuka Yamasaki abrindo o evento, numa projeção ao ar livre em um parque, chegou ao fim no sábado, 24, com a divulgação do longa premiado e a exibição de Nise: O Coração da Loucura, com Gloria Pires. O início da história do festival coincide com o começo da chamada Retomada do cinema nacional. “Éramos três meninas e, em Miami, as pessoas não tinham uma visão da cultura brasileira. Era samba e futebol”, lembra Viviane B. Spinelli, uma das criadoras do festival, ao lado das irmãs Adriana e Cláudia Dutra. A edição deste ano teve um clima de nostalgia, remetendo ao primeiro ano do evento. Como, por exemplo, a escolha de Pequeno Dicionário Amoroso 2, de Sandra Werneck, para a programação deste ano, já que, no primeiro ano de festival, em 1997, foi exibido Pequeno Dicionarário Amoroso 1.



 

Tudo o que sabemos sobre:
Miami

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.