Um filme para americano ver

É o filme ideal para americano ver depois do 11 de setembro. Atrás das Linhas Inimigas tem tudo a ver com o estilo patrioteiro que tomou conta do entretenimento nos EUA depois dos atentados terroristas a Nova York e Washington. Para quem não vibra com a bandeira das estrelas e das listas, pode virar comédia involuntária.Não é um filme ruim, diga-se. Ele é muito bem feito, tem personagens convencionais mas bem interpretados dentro dos limites do clichê e demonstra um apuro visual e de ritmo raros numa produção de linha. O que incomoda é o tom de propaganda exagerado. A propósito, para se ver como é o clima da história, a première do filme foi feita a bordo do porta-aviões USS Carl Vinson, que abriga parte da ação. Abriga também o mais corajoso e ousado herói desde que Christopher Reeve caiu do cavalo e se viu obrigado a deixar a capa de Super-Homem. O Burnett que o ator Owen Wilson faz com seu jeito de all-american boy e nariz que pede uma operação plástica parece pedir que acertem um tiro nele e seus inimigos (bósnios? sérvios? talibãs? muçulmanos? budistas?) são uns incompetentes acabados. Os pontos de interrogação servem para ilustrar a confusão ? conceda-se, que havia também na vida real ? de quem era o quê naquela guerra, em lugares de nomes impronunciáveis, e motivada por alguma coisa que ninguém sabia exatamente o quê. Burnett é um piloto tipo Tom Cruise de Top Gun; numa missão de reconhecimento sobre a Bósnia seu F-16 é derrubado. Ele e o navegador Stackhouse sobrevivem para descobrir um cemitério que comprova um massacre de civis. A câmara digital do avião que está em alguma parte dos destroços guarda as imagens desse genocídio. A partir daí, há uma corrida de gato e rato. De um lado, hordas de inimigos lideradas por um oficial de boina e que se reduzem no final a uma dupla de assassinos impiedosos. Do outro, Burnett, que ziguezagueia entre balas, atravessa campos de minas, escapa de mísseis Sam, de tanques e de um matador vestido com agasalho Adidas. Mesmo fazendo bobagens como, ao trocar de uniforme com um inimigo morto e colocar uma máscara de esqui, assim que passa por um caminhão cheio de soldados que o procuram, tirar a máscara. Enquanto isso, Gene Hackman, como um almirante, briga com o comando e recicla velhos filmes de John Wayne como o herói veterano que sacrifica tudo pelo ?boy? que tem de resgatar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.