Último filme de Theo van Gogh estréia na Holanda

O último filme do cineasta holandês Theo van Gogh, assassinado em 2 de novembro, estreou ontem na Holanda, em sessão que reuniu familiares do diretor e celebridades do cinema holandês. O filme, 06/05, é um thriller ficcional sobre o primeiro político a ser assassinado na Holanda.Van Gogh estava finalizando o longa sobre o assassinato em maio de 2002 do político populista e anti-imigração Pim Fortuyn, quando ele mesmo foi baleado e esfaqueado até a morte em uma rua de Amsterdã, supostamente por um radical islâmico.O filme mistura imagens reais de arquivo do assassinato de Fortuyn com materiais ficcionais, cobre um conspiração entre o governos norte-americano e o serviço secreto holandês. A história é contada sob o ponto de vista de um fotógrafo que tira fotos que mostram a participação de autoridades holandesas na morte de Fortuyn. Muito do que é mostrado no filme é baseado em um livro de ficção, mas alguns fatos correspondem à realidade, como a identidade do assassino de Fortuyn, um ativista pelos direitos dos animais que foi condenado a 18 anos de prisão no ano passado.A morte de Fortuyn chocou a auto-imagem do país, tido como uma nação pacífica e tolerante. A morte de Van Gogh em novembro também reascendeu o debate sobre a questão da presença dos muçulmanos na Holanda e como os holandeses lidam com isso. Van Gogh foi morto pouco depois do lançamento do filme de televisão Submission, uma crítica feroz do tratamento das mulheres islâmicas, escrito por um membro do parlamento que é contra a imigração.O lançamento internacional de 06/05 ainda está sendo negociado com distribuidoras.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.