Última residência de Bruce Lee vai virar museu em Hong Kong

O bilionário proprietário da últimacasa em que Bruce Lee viveu pretende erguer um museu dedicadoao ícone das artes marciais, cedendo aos apelos do público paraimpedir a venda por milhões de dólares da residência luxuosa emum subúrbio ao norte de Hong Kong. O filantropo e magnata imobiliário Yu Panglin, 86 anos,tinha posto à venda o luxuoso sobrado de 530 metros quadradosde Bruce Lee, no bairro arborizado de Kowloon, mas mudou deidéia, cedendo ao desejo dos fãs de que o local fossepreservado. Yu disse a jornalistas na segunda-feira que vai doar oimóvel ao governo de Hong Kong para ser usado como museu eanunciou um plano de ampliar o imóvel para convertê-lo emmemorial ao ícone das artes marciais. Ele disse que também levantará capital para o museu e quetodos os lucros futuros serão revertidos a obras beneficentes. De acordo com o consultor imobiliário de Yu, o magnatadeseja deixar a casa como está, mas ampliar o imóvel para 2.790metros quadrados de modo a incluir uma biblioteca, um centro deartes marciais e um cinema, para expor a filosofia de artesmarciais de Bruce Lee. "Se a coisa for feita em pequena escala, não será possívelatrair turismo e pessoas", disse o consultor Michael Choi. Bruce Lee, que morreu sob circunstâncias misteriosas em1973, com apenas 32 anos, protagonizou clássicos de kung fucomo "Fist of Fury", "Jogo da Morte" e "Operação Dragão". Reverenciado por fãs das artes marciais e cinéfilos de todoo mundo por ter popularizado o gênero cinematográfico dosfilmes de kung fu, Lee também ajudou a inaugurar a era de ourodo cinema de Hong Kong, nos anos 1960. Seus fãs ficaram satisfeitos com a notícia, tendopressionado o governo de Hong Kong durante anos para que fossecriado um museu, na esperança de que a casa de Bruce Lee possaser uma atração tão grande quanto a mansão Graceland, de ElvisPresley, no Tennessee, ou o memorial Beatles Story, emLiverpool. Os jornais de Hong Kong relataram que Yu recebeu ofertas deaté 13 milhões de dólares pela casa, mas as recusou. "Agora que Yu fez uma doação tão generosa ao povo de HongKong, o maior obstáculo já foi superado", disse Wong Yiu-keung,presidente do Clube Bruce Lee de Hong Kong. "Do ponto de vista do turismo, a presença deste museu BruceLee vai atrair muitos visitantes a Hong Kong."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.