TV britânica exibe filme com assassinato fictício de Bush

A rede de televisão pública britânica Channel 4 promete causar polêmica com a exibição de um documentário que mostra o assassinato fictício do presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, segundo publicou nesta quinta-feira o jornal inglês "The Times".Em "Death of a President" (A Morte do Presidente, em inglês), Bush é assassinado por um fanático franco-atirador em um hotel de Chicago. O filme, que usa artifícios da TV digital e imagens de arquivos deve ir ao ar no canal digital More4 do Channel 4 em setembro, após ser exibido no Festival de Cinema de Toronto.O Channel espera vender o filme para veículos midiáticos dos EUA, mas norte-americanos de Londres já causam polêmica afirmando que a disseminação de "Death of a President", dirigido por Gabriel Range, poderia encorajar atos extremistas nos EUA.O documentário mostra Bush chegando em Chicago para discursar na presença de empresários líderes de mercado e se confrontando com uma forte demonstração antiguerra. Perturbado, o presidente deixa a reunião e é baleado pelo franco-atirador. Enquanto os EUA lamentam a tragédia, suspeita-se que o culpado tenha sido um homem sírio - mas a verdade pode estar escondida perto de casa.Muitos norte-americanos estão amedrontados com o filme. Michelle Bowman, de 35 anos, consultora natural dos EUA que trabalha no grupo Bowman de Londres, declarou: "A maioria da população vai achar que retratar a morte do presidente é algo de muito mal gosto. Eu não consigo imaginar como veículos norte-americanos vão aceitar exibir esse filme". O diretor de "Death of a President", Gabriel Range, é o mesmo que fez o aclamado drama exibido pela BBC, "The Day Britain Stopped", filme que mostra como uma série de eventos pode paralisar a infra-estrutura de transportes no Reino Unido."Nós estudamos horas e horas imagens de Bush, e as cenas foram criadas a partir de um mix de efeitos especiais e composições digitais que intercalaram nossos atores com Bush", explicou Range, negando que quer criar sensacionalismo. "O filme é baseado em pesquisas meticulosas e em entrevistas com agentes do FBI", disse ele. "É um filme sério e sensível. Não existe possibilidade que incentive qualquer pessoa a assassinar Bush".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.