Turbulência nos mercados deixa Hollywood em situação vulnerável

Por Steven Zeitchik NOVA YORK (Hollywood Reporter) - Hollywood pode não sentirimediatamente o efeito do pedido de concordata do banco LehmanBrothers e da venda planejada do banco Merrill Lynch ao Bank ofAmerica mas, no longo prazo, tudo isso pode ter repercussões nomundo dos grandes estúdios. "Um mercado financeiro em queda livre não é bom para aindústria do cinema", disse nesta segunda-feira o advogado JohnBurke, que trabalha com financiamento de filmes. Os estúdios que têm usado dinheiro de instituições como oMerrill Lynch têm dinheiro e juros já garantidos para o curtoprazo. A Summit Entertainment e a Marvel Studios, ambos osquais trabalham com o Merrill Lynch, têm seus juros já fixados. Mas a venda do Merrill pode dificultar o futuro de outrasempresas. A divisão United Artists da MGM, que tem um acordo deprodução de 500 milhões de dólares com o Merrill Lynch, só temum filme em seu horizonte imediato -- "Valkyrie", com TomCruise -- e pode enfrentar questionamentos difíceis do novodono do Merrill, o Bank of America. Na pior das hipóteses, isso pode levar ao fim do acordo deprodução. Embora o Bank of America seja visto como instituição sólidaque tem histórico próprio de investimento no cinema, pelo menosum executivo rival disse na segunda-feira que existe apossibilidade distinta de ele cancelar o acordo com a UnitedArtists. "Os novos proprietários têm equipes de auditores que vãoanalisar cada aspecto do acordo, porque é esse o trabalho deles-- e eles estão recebendo ordens de eliminar todos osinvestimentos arriscados", opinou o executivo. Enquanto isso, acredita-se que a Weinstein Co. estáprocurando novas fontes de financiamento, voltando-se a fontesasiáticas depois que seu fundo Goldman Sachs fechar. O Merrill Lynch tem vários acordos de financiamento defilmes já existentes com a Walt Disney Co. e fazia parte de umacordo com a Paramount. Quaisquer filmes que estejam sendoproduzidos como parte desses acordos não serão afetados pelavenda do Merrill.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.