Truffaut faz homenagem a policiais B de Hollywood

É um fato que o próprio François Truffaut não tinha Atirem no Pianista, seu segundo longa, em boa conta. O filme que reestréia nesta sexta-feira foi fracasso de público e crítica, após a consagração que o diretor mais querido da nouvelle vague recebera com seu longa de estréia, Os Incompreendidos. A reação do público marcou Truffaut, que considerava o Pianista um fracasso. Há muita gente, porém, que defende apaixonadamente esse filme.A trama policial é adaptada de um romance de David Goodis chamado Down There. A crítica reagiu mal porque, depois do tom confessional do filme iniciando a saga de Antoine Doinel (Os Incompreendidos), Truffaut parecia ingressar num tipo de cinema mais anódino e inconseqüente. Temiam os críticos que esse viesse a ser o destino da maioria dos diretores do movimento de renovação do cinema francês que ficou conhecido como nouvelle vague. Truffaut só voltou a merecer crédito porque seu terceiro longa foi o maravilhoso Jules e Jim - Uma Mulher para Dois, aquela sublime obra-prima da politesse francesa adaptada do livro de Henri-Pierre Roché.Depois disso, ele construiu a fama do romântico que desconfiava do romantismo e do homem que amava as mulheres. Mas o pastiche de Atirem no Pianista não é destituído de interesse. Para cinéfilos, poderá ser um regalo - melhor que De Repente, num Domingo, que terminou sendo a despedida do cineasta, morto precocemente em 1984, aos 52 anos. Pianista pertence à vertente hitchcockiana da obra de Truffaut, com títulos como A Noiva Estava de Preto e A Sereia do Mississippi, que poucos se aventuram a colocar entre seus clássicos.Mas a trama desse filme aparentemente menor e descomprometido não deixa de veicular temas e obsessões que sempre foram caros ao diretor. Charlie Kohler (a protagonista de A Noiva Estava de Preto chama-se Julie Kohler e a palavra soa como cólera em francês) é o personagem interpretado pelo ator e cantor Charles Aznavour. No livro ele se chama Eddie. Charlie é um antigo pianista de prestígio que agora toca num café parisiense. A namorada ambiciosa quer que ele retome a carreira clássica, mas Charlie se envolve com gângsteres e termina enredado numa trama de morte.Cinéfilos vão divertir-se bastante. Mais do que o mestre do suspense, Alfred Hitchcock, o filme é o tributo do diretor aos policiais B de Hollywood. Nesse sentido, não deixa de integrar o mesmo movimento que impulsionou Truffaut a escrever a história de Acossado, que o diretor Jean-Luc Godard dedicou à Monogram, o mais pobre dos estúdios americanos. Atirem no Pianista (Tirez sur le Pianiste) - Drama. Direção de François Truffaut. Fr/60. Duração: 85 minutos. Top Cine 2, às 16h30, 18h10, 19h50 e 21h30. 12 anos.

Agencia Estado,

14 de dezembro de 2000 | 18h06

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.