Trilha mostra o espírito da canção francesa

Num restaurante, ao lado da mesa dosprotagonistas, duas moças conversam. A loura faz queixas de amorpara a outra. Diz: "Non, rien de rien, non, je ne regretterien" - ela não se arrepende de nada. Cai em pranto e a câmaravai aos personagens principais. As palavras da moça são as dosversos iniciais da canção Je ne Regrette Rien, de CharlesDumont e Michel Vaucaire.Foi um dos maiores sucessos de Edith Piaff e é piada deAlain Resnais que exatamente esses versos sejam falados, nãocantados. Je ne Regrette Rien é um dos símbolos do que seentende por canção francesa - o canto do amor desesperado,passional, desabrido, sem pudor de confessar o fracasso ouexplicitar o desejo.A trilha sonora de Amores Parisienses mostra que doinício do século ao fim dos anos 90 mudaram os estilos musicais- ritmo, padrão melódico, instrumentação -, mas não mudou tantoo caráter da poesia. No reggae Sous les Jupes des Filles,Alain Souchon fala com todas as letras dessa mania que têmos rapazes de olhar sob os vestidos das meninas.O mosaico montado pela trilha vem de um gaiato ehipocondríaco Gaston Ouvrard (Je ne Suis pas Bien Portant) ede uma dividida Joséphine Baker (J´Ai deux Amours) aoshippies profissionais Serge Gainsbourg (Je Suis Venu te Direque Je m´Em Vais) e Jane Birkin (Quoi), passando peloarmênio Charles Aznavour (Et moi Dans mon Coin), pelohistriônico Gilbert Bécaud (Nathalie), pelo gritalhão JohnnyHallyday.Curiosamente - e pode ser outra piada de Resnais -, nãoestá na trilha a canção Ne me Quitte Pas, do belga JacquesBrel, que em música, poesia e interpretação resume, ao lado deJe ne Regrette Rien e algumas outras, o tal espírito dacanção francesa. Mas, de certa forma, os personagens estãodizendo, o tempo todo: "Não me deixe." Talvez fosseredundante.

Agencia Estado,

09 de janeiro de 2003 | 18h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.