Três longas com o tempo como tema são exibidos

Três filmes em que o protagonista é o tempo foram exibidos hoje na mostra competitiva oficial da 62ª Mostra Internacional de Arte Cinematográfica de Veneza. Trata-se de La Bestia Nel Cuore, da italiana Cristina Comencini; Changhen Ge, de Stanley Kwan, de Hong Kong, e o russa Garpastum, de Alexei Guerman. De acordo com a crítica, a melhor delas é a italiana, que narra de maneira clara e sintética os problemas de dois irmãos que durante sua infância sofreram abusos sexuais por parte de seu pai. O tema podia ser tratado de diversas maneiras, mas Cristina escolheu a mais efetiva, se distanciando da situação traumática e evitando cair no sentimentalismo ou na emoção fácil. A base do filme é o romance homônimo da própria diretora, adaptado por ela mesma, Francesca Marciano e Giulia Calenda. Como em seu filme anterior, Il Più Bel Giorno Della Mia Vita (2002), a escritora e diretora questiona os problemas de um grupo familiar que esconde um doloroso segredo. Como sempre acontece, o tempo não só não apaga as conseqüências do trauma, mas as instala firmemente na personalidade de quem as sofreu. O filme tem excelentes interpretações de Giovanna Mezzogiorno, Alessio Boni, Stefania Rocca, Angela Finocchiaro e Giuseppe Battiston. A obra de Kwan também é baseada em um livro, o romance homônimo de Wang Anyi, que foi considerado pela crítica literária chinesa o acontecimento cultural mais influente no país durante a década de 90. O longa conta a vida e os amores de Wang Qiyao, candidata a Miss Xangai nos anos 40, e que após uma existência cheia de honras, cai lentamente no esquecimento. O filme descreve quarenta anos da história chinesa e da cidade de Xangai. Segundo disse o diretor após a projeção, "é uma obra que fala às mulheres de hoje através da vida de uma pessoa que pertence ao passado mas em que se reconhecem características atemporais". O núcleo do filme é uma frase de Tennessee Williams, que disse: "O futuro se transforma em presente; o presente, em passado e o passado se transforma em um lamento interminável". Changhen Ge está ambientado com inusual perfeição e é um rico retrato de uma época passada e de uma cidade que vai se modificando da mesma forma que a protagonista. Kwan nasceu em Hong Kong em 1957. Seu primeiro filme foi Nuren Xin, de 1985. Sua produção é vasta e é considerado um dos melhores produtores da Ásia na atualidade. Por último, Garpatum é o nome de um antigo jogo que alguns consideram o antecedente do futebol. Mas o tema central do filme é a história de dois irmãos e seus dois amigos, que antes da 1.ª Guerra Mundial (1914-1918) vivem em São Petersburgo e estão apaixonados pelo esporte. Como nos dois outros longas apresentados hoje, o que está presente ao longo de toda a história é a passagem do tempo. Garpastum é, do ponto de vista técnico, um filme quase perfeito. A fotografia e os movimentos de câmara, assim como o trabalho dos atores, são impecáveis. Nada parece ao acaso e até os menores detalhes estão cuidados. O que falha, por outro lado, é o conteúdo e a forma de colocar esse conteúdo. German, filho do diretor soviético do mesmo nome, parece não conhecer o termo "síntese". Várias vezes mostra longos jogos de futebol ambientados em 1915 que não têm nenhum interesse, já que os jogadores são os atores e não se parecem nem Pelé nem Maradona quanto a sua técnica. A história também não é clara, embora se adivinhe que os quatro amigos queiram comprar um terreno para fazer um estádio. Paralelamente há várias histórias de amor, um assassinato múltiplo e muito tempo desperdiçado.

Agencia Estado,

08 de setembro de 2005 | 17h26

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.