Trailer de 'Sweeney Todd' omite que diálogos são cantados

Trecho do filme faz todo o possível para esconder o fato de que a trama é inteiramente cantada

Steve Rose, do Guardian,

08 Fevereiro 2007 | 18h05

"Esta é a história de uma homem comum que possuía tudo ...", a voz masculina grave entoa, enquanto o logotipo da Warner Bros. se funde com uma rua da Londres vitoriana e começa uma música tilintante de suspense, "... até que um homem de poder roubou sua liberdade, destruiu sua família e baniu-o por toda a vida". Baterias ressoam, sinos são tangidos sombriamente, céus escurecem, Johnny Depp surge com suas lâminas de cortar gargantas, Helena Bonham Carter com seu decote profundo, há sangue salpicado na tela.   Veja também: Trailer de 'Sweeney Todd'    Esse é o trailer de Sweeney Todd, exibido nos cinemas ad infinitum. Lembra um autêntico filme de Tim Burton, mas em nenhum momento o trailer menciona o fato de que se trata de um musical. Na verdade, faz todo o possível para esconder o fato de que o filme é inteiramente cantado, salvo por alguns fragmentos de diálogo (e as pontas de Alan Rickman que, na verdade, não podem ser descritas como de canto). Mordidos por pagarem para ver uma coletânea de harmonias de Stephen Sondheim construídas tortuosamente quando esperavam um thriller gótico sangrento, muitos espectadores abandonam o cinema antes de encerrada a sessão. Foi impetrada uma queixa ao Advertising Standards Authority (órgão que regulamenta a publicidade) do Reino Unido.   Os trailers são uma linguagem que presumimos compreender. Sabemos baixar nossas expectativas de acordo com o número de explosões, com a intensidade do bater dos tambores e com a presença de informações como "indicado para o Oscar" e "Adam Sandler". Já nos acostumamos com o fato de que trailers que promovem filmes em língua estrangeira evitam a todo custo as referências de que não são falados em inglês.   Mas estão indo além dos limites considerados razoáveis. O truque usado em Sweeney Todd vai bem mais além quando comparado com o trailer de A Lenda do Tesouro Perdido - Livro dos Segredos, recentemente desmascarado no New York Times por apresentar tomadas de câmera, cenas e linhas de diálogo que não constam do filme.   "Parece que os estúdios e seus advogados não acham que isso seja um problema jurídico", disse o diretor do filme, John Turteltaub. "Eles editam os trailers muito antes que tenhamos tempo de editar o filme." Turteltaub apressou-se a deixar claro que é totalmente contrário a essa prática. "Pode-se pôr a perder grandes filmes por causa disso", disse ele, embora tenha se negado a citar algum filme específico.   Tradução de Maria de Lourdes Botelho

Mais conteúdo sobre:
Sweeney Todd estréia trailer

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.