Tornatore faz estudo da obsessão humana

Com 'O Melhor Lance', diretor italiano confirma papel de romântico que acredita no romantismo

Luiz Carlos Merten, O Estado de S. Paulo

17 de julho de 2014 | 20h07

Giuseppe Tornatore gosta de dizer que faz sempre o filme atual contra o anterior. Assim, depois de Baaria – a Porta do Vento, com sua história de amor e família – com muitos personagens, muitos cenários e um longo período de tempo –, ele está de volta com uma história que envolve poucos personagens, poucos ambientes e até um tempo mais compacto. Tudo muito diverso, mas, no fundo, O Melhor Lance não difere tanto assim. O amor continua sendo um tema maior para Tornatore, e, de novo, ele dirige sua câmera para figuras obsessivas.

O Melhor Lance é o primeiro filme do cineasta italiano em língua inglesa. Tornatore estourou quando Cinema Paradiso virou um fenômeno em escala mundial. Veio depois, entre outros filmes, Malena, com Monica Bellucci. A carreira não apenas valeu a Tornatore o título de comendador, outorgado pelo governo italiano, como lhe permitiu produzir filmes de outros diretores, entre eles Roberto Andò, que assina Viva a Liberdade, atualmente em cartaz nos cinemas brasileiros. No Festival de Berlim, no ano passado, o diretor admitiu que escreveu O Melhor Lance para Geoffrey Rush, que faz Virgil. Ele não sabia se o ator australiano ia aceitar, mas pensava nele o tempo todo. Deu certo.

Virgil trabalha com arte. Ninguém, como ele, sabe avaliar uma pintura, uma escultura, uma tapeçaria. Virgil organiza leilões. Esse homem que sabe tudo sobre o que é falso e verdadeiro na arte, é um analfabeto em matéria de sentimentos. E quando se trata de se relacionar com mulheres, a coisa fica pior ainda. Nem com seu colaborador, Roberto, ele consegue se abrir. Virgil é tão ‘secreto’ quanto obsessivo com seu trabalho. E, então, no dia de seus 63 anos, ele recebe o telefonema dessa mulher que lhe pede para avaliar e colocar à venda as obras de arte – pinturas – que herdou. 

Ela é tão obsessiva quanto ele. E mais misteriosa, ainda. Quase não aparece. Inventa 1.001 desculpas e justificativas para permanecer reclusa. Virgil desestrutura-se. Roberto o ajuda no processo de se aproximar dessa mulher estranha. A vida de Virgil nunca mais será a mesma.

Tornatore gosta dessas histórias de gente cujo universo cai por terra. Malena virava o protótipo da colaboracionista, durante a guerra, indo para a cama com os alemães. De objeto de desejo do garoto – e de todos os homens – virava objeto de ódio das mulheres. Malena era agredida e humilhada, mas o marido herói, que perdeu o braço na guerra, a resgatava e lhe devolvia a condição de senhora. 

Tornatore é um romântico que, ao contrário de François Truffaut, acredita no romantismo. Seu filme, muito bem interpretado, fascina como estudo de personagens – e da obsessão humana, que adota múltiplas faces. Talvez não seja tão bom quando O Melhor Lance envereda pelo thriller. Mas é Tornatore, e o comendador mais uma vez sai-se com competência de uma história bem armada e conduzida. Por tratar de pintura, o filme tem um aspecto visual muito elaborado. Outro ponto para a realização.

O MELHOR LANCE

Título original: La Migliore Offerta. Direção: Giuseppe Tornatore. Gênero: Suspense (Itália/2013, 131 min.). Classificação: 14 anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.