"Tomb Raider" é aventura imperdível

Falar mal de Tomb Raider é fácil. O filme não tem lógica aparente, os personagens são quase sempre unidimensionais e viver uma heroína tirada de um videogame pouco exigiria de uma atriz, mesmo que não fosse uma premiada com Oscar no ano passado.Mas o filme merece muito mais do que isso. Tomb Raider é uma aventura que deixa o espectador empolgado na maior parte do tempo, tem sua lógica interna que é a da fantasia - exatamente como as de Tarzan ou Indiana Jones - e Angelina Jolie parece ter esperado a vida inteira para ser Lara Croft, a garota veneno dos games de computador.Para qualquer gamemaníaco, fará sentido a idéia de que um artefato místico-misterioso pode controlar o tempo e está sendo procurado por uma seita antiquíssima chamada de os Iluminati (vagamente maçônico-religiosa). O artefato está numa antiga cidade que há muito tempo se ergueu no que hoje é uma cratera de meteoro e deve ser acionado junto com algo chamado O Olho que Tudo Vê, exatamente no instante em que houver um alinhamento planetário que só ocorre a cada 5 mil anos.Entenderam? Não importa. Pois o que interessa é ver a heroína Lara Croft sair do virtual e ganhar vida via Angelina Jolie. Ela luta com um robô mortal tão insistente quanto o japonês Kato dos filmes da Pantera Cor de Rosa. Lara tem seu castelo, seu mordomo, seu hacker pessoal e um pai morto e nunca esquecido. Basta como caracterização, ao lado de seus dois revólveres presos nas coxas e habilidade de lutar com armas e artes marciais.A ação vai por Veneza, lugares gelados e selvagens, enquanto Lara vence todos os obstáculos - de forma absolutamente convincente. Você vai ao cinema e torce por ela. O que mais se quer de uma aventura?

Agencia Estado,

05 de julho de 2001 | 20h36

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.