Tom Hanks pede fim da greve em tempo de salvar a festa do Oscar

O ator Tom Hanks quer que a cerimôniado Oscar aconteça como todos os anos e estimulou os estúdios aretornarem à mesa de negociações para pôr fim à greve dosroteiristas, que ameaça atrapalhar o momento culminante datemporada de premiações em Hollywood. A cerimônia do Globo de Ouro, que tinha sido prevista paradomingo, já foi cancelada e será substituída por uma coletivade imprensa que provavelmente terá a presença de poucasestrelas. O People's Choice Awards também foi simplificado, e oevento acabou sendo fracasso de audiência na TV. Agora todas as atenções estão voltadas aos Academy Awards,a noite mais importante do mundo do cinema, previsto para em 24de fevereiro. "O show precisa continuar. Esse é um dos princípios detudo", disse Hanks à Reuters em Londres. "Faço parte do conselho de diretores da Academia, equeremos com toda certeza promover um show grandioso ehomenagear os filmes lançados ao longo do ano", disse ele notapete vermelho da estréia de seu filme "Jogos de Poder". Hanks afirmou que os grandes estúdios deveriam recordar quemuitas pessoas estão sofrendo devido à greve promovida pelos10.500 filiados ao WGA (o Sindicato de Roteiristas) emdecorrência da disputa com os estúdios de cinema e televisão. "Há fornecedores, marceneiros, eletricistas...", lembrou oator de 51 anos. "Existem muitas pessoas lá fora ligadas àindústria (cinematográfica), para as quais, quanto antes estagreve terminar, melhor." "Espero que os chefões que tomam as grandes decisões emsuas salas comecem a negociar diretamente e que todo o mundopossa voltar ao trabalho." O astro de sucessos de bilheteria como "Forrest Gump" e "OCódigo Da Vinci" e duas vezes premiado com o Oscar de melhorator acrescentou que hoje, na era da Internet, é preciso mudara maneira como os roteiristas são remunerados. Uma das questões chave na disputa trabalhista dosroteiristas é como eles ganharão dinheiro quando seu trabalhoaparecer na Internet. A Warner Bros. já informou a cerca de mil trabalhadores daprodução de televisão e cinema que dentro em breve seráanunciado um número não especificado de demissões, emdecorrência da greve.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.