Tom Cruise defende seu papel como 'Jack Reacher'

Tom Cruise defendeu seu papel como Jack Reacher no primeiro do que pode ser uma nova franquia de filmes de ação, apesar de ser muito mais magro e baixo do que o personagem criado pelo autor Lee Child nos livros.

Reuters

11 de dezembro de 2012 | 12h43

Cruise disse à Reuters Television na pré-estreia mundial em Londres de "Jack Reacher", na segunda-feira, que não teria recebido o papel se o escritor britânico estivesse insatisfeito.

O franco-atirador militar Reacher descrito por Child mede quase 2 metros e pesa 91 quilos. Cruise, de 50 anos, tem 1,70 metro, de acordo com o Internet Movie Database, e tem porte físico magro.

"Você sabe, ele (Child) criou o personagem, eu tive a minha própria opinião que eu não disse a Lee e, em seguida, ele voltou e praticamente refletiu o que eu sentia sobre isso. Mas se ele tivesse dito 'olha, eu prefiro não', eu não teria feito o personagem", disse Cruise.

Cruise descreveu o tamanho de Reacher como uma "característica" e não um "caráter".

"Jack Reacher", que será lançado ainda este mês em alguns países, é baseado em "Um Tiro" -- um dos livros da série de best-sellers de Child sobre o ex-soldado que virou andarilho e viaja pelos Estados Unidos aplicando sua própria forma de justiça.

A atriz britânica Rosamund Pike, que interpreta a protagonista feminina, disse que espera que haja muitos mais filmes de Reacher.

"Esperamos que esta se torne uma grande franquia nova para Tom e para a Paramount e, por isso, estar no primeiro é muito legal... É espirituoso, é veloz, o enredo é intrigante e... incisivo e bastante obscuro em alguns pontos. O humor e a violência neste filme são um tanto ousados e eu gosto disso", afirmou Pike.

Cruise também foi produtor do filme da Paramount Pictures, que deve ser lançado nos Estados Unidos em 21 de dezembro.

(Reportagem de Edward Baran)

Tudo o que sabemos sobre:
FILMECRUISEREACHER*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.