Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Chia Bella James/Warner Bros
Chia Bella James/Warner Bros

Todos os filmes da Warner em 2021 serão lançados no cinema e no streaming ao mesmo tempo nos EUA

Entre os lançamentos estão os blockbusters Esquadrão Suicida 2, Godzilla vs. Kong, Duna e Matrix 4

Redação, O Estado de S.Paulo

03 de dezembro de 2020 | 17h00

Todos os filmes da Warner Bros. em 2021 serão lançados simultaneamente nos cinemas e na plataforma de streaming HBO Max nos Estados Unidos, anunciou a WarnerMedia nesta quinta-feira, 3. Entre os lançamentos da Warner Bros. para 2021 que chegam no streaming junto das salas de cinema estão os blockbusters Esquadrão Suicida 2, Godzilla vs. Kong, Duna e Matrix 4.

Assinantes do HBO Max receberão acesso a 17 filmes ao todo, que representam um investimento de US$ 1 bilhão em custo de produção para o estúdio. Segundo a imprensa americana, a WarnerMedia afirmou que a decisão, que contraria as práticas costumeiras do modelo de negócios de Hollywood, foi motivada pela pandemia do novo coronavírus. O estúdio acredita que a frequência dos cinemas americanos não deve se recuperar até o fim de 2021.

A executiva da WarnerMedia Ann Sarnoff disse que esse seria um plano exclusivo para 2021 e disse que "novo conteúdo é essencial para os exibidores de cinema", mas que teria de "equilibrar essa necessidade com a realidade de que a maioria dos teatros deve operar com capacidade reduzida ao longo de todo o ano".

Entre as várias mudanças de planejamento para estreias desencadeadas pela pandemia, nenhum estúdio adotou o streaming como uma tábua de salvação. Mas, após as decepcionantes vendas de ingressos para Tenet no mercado doméstico e com a maioria dos cinemas fechados nos Estados Unidos, a Warner Bros. mudará para um modelo de distribuição híbrido.

Depois de um mês, os filmes serão exibidos apenas nos cinemas. A mudança segue a decisão da Warner Bros. de estrear Mulher Maravilha 1984 na HBO Max americana este mês, além dos cinemas. No Brasil, o filme deverá chegar primeiro nos cinemas, no dia 17.

Outros filmes que entrarão nesse plano são The Little Things, um thriller com Denzel Washington; In the Heights, um musical de Lin-Manuel Miranda; Cry Macho, de Clint Eastwood; The Conjuring: The Devil Made Me Do It; e uma prequência de Sopranos chamada The Many Saints of Newark.

Se essa mudança abalou a indústria, o anúncio de quinta-feira fará Hollywood sacudir seu núcleo. “No momento sem precedentes em que nos encontramos, precisávamos de uma solução criativa para servir nossos fãs, cineastas e expositores”, disse Ann Sarnoff. “Grande e ousado é uma obrigação agora.” Sarnoff chamou de “conserto temporário” e “plano de um ano”. 

O estudo disse que outras opções, como lançar filmes de grande orçamento apenas em cinemas com capacidade limitada ou adiar os filmes por mais um ano, não eram atraentes. O movimento da Warner equivale a reconhecer que qualquer recuperação total dos cinemas está a um ano ou mais de distância. “Precisamos que as pessoas voltem aos cinemas com capacidade total em algum momento. Se você ler os especialistas médicos, vai demorar um pouco”, disse Sarnoff. “Se víssemos o fim da pandemia se aproximando, poderíamos ter uma estratégia diferente, mas não a vemos agora.”

HBO Max está disponível apenas nos EUA. Internacionalmente, os 17 filmes do estúdio previstos para 2021 serão lançados nos cinemas. A decisão da Warner ressoa especialmente porque o estúdio de 87 anos é há muito um líder no mercado de Hollywood e conhecido por apoiar para os cinemas. Em geral, está entre os dois principais estúdios em participação de mercado na última década, perdendo apenas para Walt Disney. 

Os filmes da Warner costumam gerar US $ 1,5 bilhão a US $ 2 bilhões anuais com a venda de ingressos nos EUA e no Canadá, muito dinheiro para compensar os assinantes da HBO Max. A Warner confirmou que os filmes estarão disponíveis para assinantes sem custo extra. “Não posso comentar sobre como funcionará a economia disso, eu precisaria de uma bola de cristal para isso”, disse Sarnoff. / COM NYT E AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.