Divulgação
Divulgação

Todo Dumont, um grande autor que não faz psicologia

Cineasta do corpo, ele ganha retrospectiva de seus sete filmes, incluindo o recente

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

31 de julho de 2013 | 18h52

Trata-se de um dos mais exigentes diretores franceses contemporâneos, e muitos críticos comparam Bruno Dumont a Robert Bresson, com quem compartilha a busca da transcendência, a ascese de seus personagens. O próprio Dumont considera a semelhança superficial. Pode parecer arrogante – ele não se interessa por outros autores, exceto Stanley Kubrick e Abbas Kiarostami, nem pela técnica. Faz filmes como quem escreve romances e, aliás, seus roteiros são romances detalhados.

É tempo de prestigiar Bruno Dumont, que ganha retrospectiva completa no CineSesc. O evento será inaugurado nesta quinta, 1/8, com Camille Claudel, o último longa do diretor, lançado em Berlim, em fevereiro, e depois exibido no Festival Varilux, em maio. Todo Bruno Dumont – e de A Vida de Jesus, de 1997, à irmã de Paul Claudel agora, os sete filmes que ele realizou o situam num território próprio, entre o drama realista (e é o que o diferencia de Bresson) e a vanguarda.

O que é a vanguarda em 2013? Por princípio, o artista de vanguarda tem de estar na linha de frente, ser combativo e avançado. Dumont tem discutido questões religiosas (A Vida de Jesus e Hadjewich), questionado a organização social e a guerra (A Humanidade e Flandres). Radicalizando, chegou à ‘loucura’ de Camille Claudel.

É um cineasta do corpo, e nisso se aproxima de autores como Claire Denis e Gaspar Noë. Trabalha suas cenas em bloco, sem psicologismo. E prefere os atores não profissionais. Pode parecer estranho, considerando-se que sua Camille é uma estrela do porte de Juliette Binoche.

Ela não apenas aceitou as condições do diretor – queria trabalhar com ele –, como Dumont achou que não seria despropositado transformá-la em Camille, uma celebridade em sua época, confrontada com os internos no manicômio. O filme é seco, duro. No limite, Camille atravessa o inferno para encontrar a paz interior. Vale a pena viajar, não apenas em sua história, mas em todo o cinema de Dumont.

MOSTRA BRUNO DUMONT

Cinesesc.Rua Augusta 2.015, 3087-0500.

R$ 2/ R$ 8. De 1º a 8/8.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.