Divulgação
Divulgação

Thor: mais sombrio e também hilariante

Com experiência em séries de TV, diretor tenta dar tom realista à saga

Pedro Caiado - Especial para o Estado, O Estado de S. Paulo

01 de novembro de 2013 | 20h01

Desde 2011 com a introdução do Deus do Trovão em Thor, muito mudou no universo dos quadrinhos da Marvel nos cinemas. O colega “vingador” Capitão América iniciou sua própria franquia, Os Vingadores e Homem de Ferro 3 quebraram recordes de bilheteria e o ator britânico Tom Hiddleston, o vilão Loki, tornou-se favorito do público. O universo da Marvel também se expandiu, preparando terreno para os novos Os Guardiões da Galáxia e Capitão América no próximo ano, além de Os Vingadores 2 (e possivelmente Homem-Formiga) em 2015. A programação da Marvel é extensa, e há filmes planejados até 2021.

O primeiro filme do super-herói louro e seu famoso martelo foi bem recebido e provou-se um bom trabalho do diretor rebuscado Kenneth Branagh no terreno dos blockbusters. Para a sequência, a equipe da Marvel foi atrás de um nome diferente. “Eu estava em Belfast filmando a série Game of Thrones quando recebi o convite para dirigir este”, disse Alan Taylor em conversa com o Estado em Londres. “A principal diferença entre este filme e o último é que este tem um aspecto mais sujo. O primeiro era muito certinho, o que foi uma escolha correta, mas, quando assumi, decidi seguir o caminho da mitologia nórdica: a qualidade viking”, explicou o americano de 53 anos que já dirigiu inúmeros seriados de sucesso na TV, entre Madman e Os Sopranos.

“Eu conversei com outros diretores que trabalharam no universo da Marvel – Shane Black, Joss Whedon e Jon Favreau –, e eles todos me afirmaram que o processo é bem similar em todos os filmes. A Marvel é um lugar interessante de trabalhar, pois, apesar de ser uma grande corporação, parte de uma outra grande corporação, mantém o processo bem intimista: basicamente entre o diretor e o Kevin Feige (presidente de produção da Marvel)”, explicou.

Thor: Mundo Sombrio traz mais cenas na terra e menos no planeta Asgard. As filmagens aconteceram na Islândia e em Londres, no bairro de Greenwich, trazendo mais veracidade. “Eu queria que fosse mais baseado na realidade, com cenas de luta realistas, apesar de ter em mente que não poderia baseá-lo na história. Não podia ser medieval”, disse. “No universo da Marvel, também não podemos mostrar sangue, apesar de matar pessoas”, diz. Mesmo com o título O Mundo Sombrio, essa continuação traz muito mais humor que o primeiro. “Humor é algo interessante de se explorar em fantasia, e o universo da Marvel é famoso por dar um passo para trás e não se levar muito a sério”, disse ele. “As séries Sopranos e Madman eram sombrias, mas muito engraçadas, e acho que aprendi com elas como chegar a esse equilíbrio”, completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.