"The Passion" já estaria causando anti-semitismo

Mesmo antes de ser lançado, o novo filme de Mel Gibson já provocou uma "onda sem precendentes de correspondências odiosas", segundo o Centro Simon Wiesenthal, uma organização judaica baseada em Viena. The Passion, que Mel Gibson está concluindo, narra as 12 últimas horas da vida de Jesus Cristo. Judeus que já viram o filme manifestaram o temor de que surjam reações anti-semitas culpando os judeus pela crucificação de Cristo. De acordo com o rabino Marvin Hier, do escritório do Centro Simon Wiesenthal em Los Angeles, sua organização recebeu cartas acusando os judeus de serem "os assassinos de Cristo". As cartas teriam chegado à organização depois que esta expressou publicamente o desejo de que Mel Gibson altere a edição de The Passion. A nota do centro judaico cita uma carta em que o remetente supostamente diria que os judeus "não querem que a verdade seja mostrada publicamente porque isso vai lembrar a milhões de americanos de que os judeus foram de fato totalmente responsáveis pela morte de Jesus Cristo". O rabino Marvin Hier disse que "por 20 séculos, as falsas acusações foram a razão central para o anti-semitismo, causando a morte e perseguição de milhões de judeus". Outro grupo judaico que manifestou temor pelo lançamento de The Passion na versão em que o filme vem sendo exibido a estudiosos e teólogos é a Liga Anti-Difamação. "Enquanto entendemos que a crucificação é central para a crença de mais de um bilhão de cristãos e não queiramos impedir ninguém de fazer um filme sobre a Paixão, é claro que há um problema", disse ainda o rabino Hier. Mel Gibson pagou do próprio bolso os US$ 30 milhões necessários para fazer The Passion. O filme já está pronto, mas ainda não tem distribuição acertada; sem isso, o lançamento é quase inviável. Além da falta de distribuidor, The Passion foi filmado em latim e aramaico, o que dificulta ainda mais sua circulação. Mel Gibson é católico radical e faz parte de um grupo que não reconhece no Vaticano a autoridade máxima da Igreja Católica.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.