Terrorismo rende nova leva de filmes em Hollywood

O terrorismo pode ser o novo astro deHollywood nesta temporada de verão no cinema americano. Em meioa uma nova leva de alertas sobre possíveis ataques terroristasnos Estados Unidos, dois filmes ganham destaque na mídia comtramas envolvendo bombas nucleares e destruição emmassa. Se passarem no teste, uma enxurrada de produções do mesmo gênero é garantida.O teste principal acontece neste fim de semana, quando chega àstelas americanas o filme A Soma de Todos os Medos, baseadoem um dos best sellers do autor Tom Clancy. A fita, que entra emcartaz na sexta-feira, foi rodada antes de 11 de setembro, mas lida com vários assuntos que tomaram conta da mídia mundial: terrorismo, bombas nucleares, conflitos entre israelenses e palestinos.No filme, Ben Affleck faz o papel de Jack Ryan, o agente daCIA que já foi interpretado porAlec Baldwin em Caçada ao Outubro Vermelho e Harrison Fordem Perigo Real e Imediato e Jogos Patrióticos, todosbaseados em livros de Clancy. O ponto alto da trama é quando osterroristas colocam uma bomba nuclear em um estádio de Baltimore, Maryland, durante o Super Bowl, o jogo de futebol americano queé tradicionalmente o programa de maior audiência da TV. Desta vez, até o presidente dos Estados Unidos é presença confirmada na partida.A diferença em relação a muitas das produções sobre o assunto é que, desta vez, a bomba explode. As cenas, que têm sido exibidasem trailers e comerciais do filme, mostram as imagens dadestruição. No filme, as investigações apontam para uma bomba nucleardesaparecida do arsenal soviético, adquirida por terroristas - um cenário muito parecidocom o que as autoridades dos Estados Unidos têm trabalhado emseus planos de segurança. Na próxima semana seguinte, estréia na América do Norte a comédia BadCompany, com Anthony Hopkins e Chris Rock. Na trama,terroristas plantam uma bomba no Grand Central Terminal, uma dasestações de trem de Manhattan. A história começa com a morte doagente da CIA Kevin Pope (Rock), assassinado durante uma missão. A CIA decide então alistar seuirmão gêmeo Jake, que tem de ser treinado emnove dias pelo agente Gaylord Oakes (Hopkins) para virar umespião e dar cabo da missão de Kevin.Hollywood aposta que o assunto vai atrair o público americano,avesso ao tema nos meses seguintes aos ataquesterroristas de 11 de setembro. É tudo ou nada, mas a históriarecente não está do lado da indústria do cinema. As estréias defilmes como Efeito Colateral e Big Trouble foram adiadase, ainda assim, as produções tiveram bilheterias medíocres.A Soma de Todos os Medos é o filme que vai dizer se o temapode virar uma tendência. O estúdio Paramount Pictures estáapostando no patriotismo do público. A pré-estréia do filme seráamanhã, em Washington, D.C., com a participação de líderesmilitares e nomes importantes da Casa Branca. A produção de PhilAlden Robinson, que mostra a morte de milhares de pessoas,ganhou um novo tipo de "aviso" da Motion Picture Associationof America: "imagens de desastre", para indicar aos pais queas cenas podem ser duras demais para crianças. O filme, comprevisão de estréia no Brasil para o dia 14, tem censura de 13anos nas telas americanas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.