Divulgação
Divulgação

Tarantino entra para o mercado de NFT e vai leiloar cenas inéditas de 'Pulp Fiction'

Cineasta disse estar entusiasmado; as cenas exclusivas contam com comentários do diretor sobre o filme

Agência, EFE

03 de novembro de 2021 | 13h21

O cineasta Quentin Tarantino decidiu entrar no novo mercado de arte NFT com um leilão de sete cenas inéditas filmadas para seu filme Pulp Fiction de 1994. "Estou muito entusiasmado em apresentar aos fãs de Pulp Fiction estas cenas exclusivas", disse Tarantino em uma declaração. "O próprio conteúdo secreto é único, nunca visto ou ouvido antes". 

A oferta inclui roteiros originais manuscritos do filme estrelado por Uma Thurman e John Travolta, e comentários exclusivos em áudio do próprio Tarantino que "revelam segredos sobre o filme e seu criador, de acordo com Secret Network". 

Os materiais do filme são oferecidos como tokens não fungíveis (NFTs) no Open Sea, o maior mercado do mundo para tais transações. Os NFTs da Tarantino protegem não apenas o conteúdo até então invisível do filme, mas também a identidade daqueles que adquirem essas cenas. "Secret Network e Secret NFTs proporcionam um mundo totalmente novo de conexão com fãs e artistas, e estou entusiasmado por fazer parte disso", disse Tarantino. 

As NFTs serão codificadas com a assinatura do artista para verificar a propriedade e autenticidade, permitindo que as versões originais do conteúdo popular da Internet sejam vendidas como se fossem peças de arte. 

Tarantino ganhou o Oscar de melhor roteiro original por Pulp Fiction em 1994, e por Django Livre, lançado em 2012. Pulp Fiction é um dos filmes mais populares do Tarantino e, com um orçamento de produção de apenas 10 milhões de dólares, totalizou 213,9 milhões de dólares. 

Após o anúncio de Tarantino, o preço do SCRT, token da Secret Network, subiu 14% para um recorde de $10,02, e o volume diário de negociação da criptomoeda aumentou 95% em 24 horas.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.