Thomas Peter/ Reuters
Thomas Peter/ Reuters

Tapetes vermelhos de Hollywood terão que criar alternativas para conviver com a pandemia

Entrevistas virtuais com celebridades pela internet serão cada vez mais populares

Redação, AFP

19 de maio de 2020 | 08h37

Com suas celebridades radiantes posando para as lentes das câmeras, os tapetes vermelhos foram a base da divulgação dos filmes mais caros de Hollywood.

No entanto, todos os assistentes, repórteres, guardas de segurança e fãs, antes alinhados lado a lado, são um pesadelo para as normas de distanciamento social recomendadas para conter a pandemia de coronavírus.

Enquanto a Califórnia começa a suavizar as medidas de confinamento impostas há dois meses, especialistas em marketing do mundo do cinema estudam uma forma de voltar a utilizar os tapetes vermelhos sem aumentar o risco de propagação do vírus.

Nos cinemas que exibem os filmes em pré-estreia, o distanciamento social será fundamental. Especialistas estudam, além disso, a possibilidade de medir a temperatura de todos os convidados.

Entrevistas pela internet 

Mesmo com a aplicação dessas medidas inéditas, os especialistas não acreditam que as festas exuberantes realizadas após as exibições, com seus bares e salões cheios de pessoas, possam ser reorganizadas em breve.

E enquanto os gigantes do streaming como Netflix ou Amazon se tornaram os reis do confinamento e continuam estreando filmes e séries, as entrevistas virtuais com celebridades pela internet serão cada vez mais populares.

A 15|40 Productions, uma das principais empresas de eventos de Hollywood, criou inclusive um estúdio móvel em uma caravana, que pode ser levada para as casas dos atores e decoradas de acordo com os filmes e séries que estão sendo divulgados.

Apesar dessas ideias, a maioria das grandes produções de Hollywood previstas para este ano adiou suas datas de estreia, à espera da reabertura dos cinemas.

Embora o glamour e o champanhe possam ser mal vistos em um momento em que as mortes por coronavírus aumentam e o desemprego cresce, Waldman opina que a maioria das pessoas "está cansada de ficar em casa" e que os fãs poderiam inclusive celebrar nos tapetes vermelhos e nas estreias como as que foram propostas.

O teste decisivo para essa nova modalidade pode ser Tenet, um filme de Christopher Nolan, o diretor de Inception e de uma trilogia de Batman, que será o primeiro a voltar às salas de Hollywood.

A data oficial da estreia deste filme, 17 de julho, está mantida por enquanto.

"Espero de verdade que isso aconteça (...) Passamos muito tempo criando um ambiente seguro para o estúdio, para a imprensa e os artistas", disse Waldman.


 

Tudo o que sabemos sobre:
cinema

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.