Tailandês 'Uncle Boonmee' leva Palma de Ouro em Cannes

'Uncle Boonmee Who Can Recall His Part Lives' foi o vencedor do 63º Festival

Luiz Carlos Merten,

23 de maio de 2010 | 17h13

CANNES - No sábado à tarde, os críticos haviam dado prova de incompetência, atribuindo, por unanimidade, o prêmio da Fipresci, a Federação Internacional da Imprensa Cinematográfica, a Tournée, de Mathieu Amalric. Ontem, o júri presidido por Tim Burton recolocou as coisas em perspectiva e acertou na mosca ao atribuir a Palma de Ouro do 63º Festival de Cannes ao filme tailandês Uncle Boonmee Who Can Recall His Past Lives, de Apichatpong Weerasethakul. O júri meio que loteou os prêmios, mas, no geral, acertou - teria acertado mais se, em vez de dar a Amalric o prêmio de mise-en-scène (direção), o tivesse destinado ao ucraniano Sergei Loznitsa, por My Joy.

 

A dureza e ousadia do filme que concorreu pela Rússia foram demais para Tim Burton e seus amigos, mas foi uma bela cerimônia de premiação. Emocionante. Logo na abertura, a apresentadora Kristin Scott Thomas chamou atenção para a poltrona destinada a Jafar Panahi, que continuava vazia. O cineasta iraniano, preso em seu país sem acusação formal, viveu ontem seu nono dia de greve de fome. De Hollywood, Steven Spielberg telefonou para o palais para se solidarizar com os esforços para libertar o autor iraniano. Juliette Binoche, em seu discurso de agradecimento, levantou uma placa com o nome do diretor de O Balão Branco e O Círculo. Ela repetiu o que disse ontem na entrevista que deu ao Caderno 2 - "Um país precisa de seus artistas, de seus intelectuais, e o Irã precisa de Jafar (Panahi)."

 

O tom político foi reafirmado pelo italiano Elio Germano, que dividiu o prêmio de interpretação masculina com Javier Bardem (pelo filme de Alejandro González Iñárritu, Biutiful). Enquanto Bardem, falando em espanhol, dedicou o prêmio a Penélope Cruz, chamando-a de 'mi vida, mi amor', Germano, protagonista de La Nostra Vida, de Daniele Luchetti, criticou a classe política italiana, especialmente o dirigente máximo (Sílvio Berlusconi). Ele dedicou a vitória à Itália e aos italianos, que tentam construir uma vida melhor, apesar do presidente.

 

Des Hommes et des Dieux, de Xavier Beauvois, que recebeu anteontem o prêmio do júri ecumênico, ficou com o grande prêmio. O prêmio do júri foi para o chadiano Um Homme Qui Crioe, de Mahamat-Saleh Haroun. Ele fez um emotivo discurso de agradecimento. Disse que vem de um país pobre, desértico, mas que faz seu cinema com o mesmo carinho com que os pais preparam a refeição para seus filhos. O prêmio de roteiro foi para o coreano Lee Chang-dong, por Poetry.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.