Superpoderosas, boa animação de história ruim

Tem uma boa e uma má notícia sobreo desenho animado As Meninas Superpoderosas, que estréianesta sexta-feira. A boa notícia é que a animação é deprimeiríssima. A má notícia é que a animação está a serviço denenhuma causa - a história é ruim, o humor é rarefeito, ospersonagens falam e explicam tudo o tempo todo e não tem amínima graça. Cult da geração ploc, As Meninas Superpoderosasconvenceu no desenho animado do Cartoon Network porque é umaatração camp, deslocada, satírica e descompromissada. Para essageração, o desenho preencheu o mesmo espaço no coração queocupava, por exemplo, Batfino e Karatê, nos anos 70. Batfino "Minhas Asas São como Uma Couraça de Aço" nãoera o preferido dos garotinhos, porque seu humor era um poucomais sofisticado, e também não convencia os garotões de 40 anosporque era preciso ter um espírito moleque para entender abrincadeira. Mas nem tudo está perdido em As Meninas Superpoderosas- O Filme. A trilha também é de primeiríssima, contando atécom Frank Black (ex-Pixies) e break beats moderníssimos. Setirarmos os diálogos, dá para pôr num telão de festa e tudo ficabem.Serviço - As Meninas Superpoderosas - o filme - (The Powerpuff Girls) -Desenho. Dir. Craig McCracken. EUA/2002. Dur. 87 min. A luta dasmeninas que têm superpoderes e que foram criadas em laboratóriocontra o Macaco Loco, que se faz de bonzinho, mas que temintenções sinistras.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.